FORBES elege as 100 empresas cidadãs dos EUA

Para nosso primeiro ranking das melhores cidadãs corporativas dos EUA, a Just Capital (entidade privada, independente e sem fins lucrativos) sondou 72 mil norte-americanos para analisar o que eles esperam das empresas. Depois, classificamos 877 das maiores empresas de capital aberto em relação a essas expectativas, usando sete métricas ponderadas, como tratamento do trabalhador e impacto ambiental: Trabalhadores | Comunidade | Produtos | Clientes | Administração | Meio Ambiente | Empregos | Líder do setor.

LEIA MAIS: Tratar bem funcionário melhora desempenho da empresa

Veja, na galeria de fotos, as 10 primeiras empresas cidadãs:

  • 1. Intel (Líder do setor)

    Para incentivar seus 106 mil funcionários mundiais a fazer trabalho voluntário, a fabricante de chips doa US$ 10 para cada hora (a partir de 20 horas) passadas numa entidade sem fins lucrativos, inclusive escolas. No ano passado, 38% dos funcionários contribuíram com mais de 1 milhão de horas de seu tempo. A Intel também intermediou contatos entre mais de mil de seus aposentados e entidades como a Habitat for Humanity para que esses ex-funcionários tenham um segundo ato repleto de significado.

    Trabalhadores: 10
    Comunidade: 1
    Produtos: 12
    Clientes: 530
    Administração: 247
    Meio Ambiente: 2
    Empregos: 204

  • 2. Texas Instruments

    Calculadoras. Televisores. Escovas dentais elétricas. Refrigeradores. Fundada em 1930, essa fabricante de semicondutores pioneira está desenvolvendo tecnologias inteligentes para permitir que os consumidores carreguem seus aparelhos mais rapidamente, paguem menos pela energia que alimenta suas casas e recebam ajuda ao dirigirem. Para impulsionar a inovação, a empresa de Dallas aplica 10% da receita em pesquisa e desenvolvimento. Número de patentes: 44 mil.

    Trabalhadores: 14
    Comunidade: 5
    Produtos: 1
    Clientes: 98
    Administração: 127
    Meio Ambiente: 6
    Empregos: 664

  • 3. Nvidia

    “Se você vai fazer o melhor trabalho da sua vida aqui, a empresa tem a obrigação de oferecer os melhores benefícios”, diz Beau Davidson, vice-presidente de RH. Detalhes: a Nvidia restitui até US$ 30 mil de crédito educativo, e as mães recentes ganham 22 semanas de licença remunerada; os funcionários também recebem reembolso de despesas de fertilização in vitro e adoção. Os trabalhadores podem alocar até 10% de seu salário à compra das quentíssimas ações da Nvidia com 15% de desconto.

    Trabalhadores: 1
    Comunidade: 10
    Produtos: 93
    Clientes: 530
    Administração: 122
    Meio Ambiente: 18
    Empregos: 202

  • 4. Microsoft (Líder do setor)

    Desde que Satya Nadella assumiu, em 2014, as ações da Microsoft despertaram de um sono de uma década e mais do que dobraram de valor. A empresa voltou a inovar, e sua atividade de nuvem
    atingiu enorme sucesso, sem mencionar a promissora aquisição do LinkedIn por US$ 26,2 bilhões. “Nós costumávamos falar de gente metida a sabe-tudo na Microsoft. Agora, falamos de gente do tipo aprende-tudo”, diz Kristen Dimlow, vice-presidente corporativa de recursos humanos.

    Trabalhadores: 2
    Comunidade: 2
    Produtos: 782
    Clientes: 509
    Administração: 1
    Meio Ambiente: 10
    Empregos: 110

  • 5. IBM (Líder do setor)

    Trabalhadores: 62
    Comunidade: 29
    Produtos: 36
    Clientes: 70
    Administração: 337
    Meio Ambiente: 4
    Empregos: 49

  • 6. Accenture (Líder do setor)

    É uma força poderosa nas práticas ecologicamente corretas, estimulando clientes, parceiros e fornecedores a tirar proveito da tecnologia para aumentar a sustentabilidade. Reduziu a própria pegada de carbono em 47% desde 2006, tornando seus escritórios mais eficientes do ponto de vista energético e dando preferência às reuniões virtuais, em detrimento das viagens aéreas. Em 2016, reciclou 99% de seus computadores antigos (cerca de 76 mil), para que não fossem parar em aterros sanitários.

    Trabalhadores: 15
    Comunidade: 65
    Produtos: 97
    Clientes: 28
    Administração: 331
    Meio Ambiente: 1
    Empregos: 208

  • 7. Cisco Systems (Líder do setor)

    Trabalhadores: 11
    Comunidade: 22
    Produtos: 1
    Clientes: 367
    Administração: 114
    Meio Ambiente: 104
    Empregos: 269

  • 8. Alphabet (Líder do setor)

    Trabalhadores: 8
    Comunidade: 112
    Produtos: 57
    Clientes: 39
    Administração: 609
    Meio Ambiente: 80
    Empregos: 61

  • 9. Salesforce

    Trabalhadores: 4
    Comunidade: 109
    Produtos: 36
    Clientes: 9
    Administração: 624
    Meio Ambiente: 179
    Empregos: 284

  • 10. Symantec

    Trabalhadores: 27
    Comunidade: 44
    Produtos: 36
    Clientes: 514
    Administração: 252
    Meio Ambiente: 36
    Empregos: 708

1. Intel (Líder do setor)

Para incentivar seus 106 mil funcionários mundiais a fazer trabalho voluntário, a fabricante de chips doa US$ 10 para cada hora (a partir de 20 horas) passadas numa entidade sem fins lucrativos, inclusive escolas. No ano passado, 38% dos funcionários contribuíram com mais de 1 milhão de horas de seu tempo. A Intel também intermediou contatos entre mais de mil de seus aposentados e entidades como a Habitat for Humanity para que esses ex-funcionários tenham um segundo ato repleto de significado.

Trabalhadores: 10
Comunidade: 1
Produtos: 12
Clientes: 530
Administração: 247
Meio Ambiente: 2
Empregos: 204

METODOLOGIA

A FORBES fez parceria com a Just Capital para avaliar 877 empresas de capital aberto dos EUA. Os dados são obtidos de fontes abertas ao público, de terceiros e de repositórios mantidos por crowdsourcing, e então ponderados com base no que os norte-americanos dizem ser os sete aspectos mais importantes do comportamento empresarial: tratamento do trabalhador (peso de 23%), tratamento do cliente (19%), qualidade dos produtos (17%), impacto ambiental (13%), apoio à comunidade nos EUA e direitos humanos em outros países (11%), número de empregos disponíveis nos EUA (10%) e tratamento do acionista (6%).

Reportagem publicada na edição 58, lançada em abril de 2018

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).