Apple e Google competem para ver quem tem melhor privacidade

A Apple quer que o mundo saiba sobre sua enorme preocupação com privacidade. O lançamento do iPhone 6 e iOS 8 foi uma carta pessoal do seu CEO, Tim Cook, sobre o compromisso da empresa com o tema. Não é a primeira vez que a empresa usa este ponto para diferenciar-se da concorrência: em 2010, Steve Jobs disse que “sempre teve uma visão muito diferente da vida privada do que alguns dos nossos colegas do Vale. Nós levamos a privacidade muito a sério”. Cook repetiu o sentimento, mirando diretamente no Google, dizendo que “a Apple não constrói um perfil de seus usuários ou lê as suas mensagens para obter informações de mercado”.

A Apple quer mostrar que o iPhone não é apenas para comunicação e navegação na web. Ele pretende monitorizar a sua saúde (com HealthKit), ser a sua carteira (com a Apple Pay), e controlar os dispositivos em sua casa (com HomeKit). Assim, a Apple fez algo muito inteligente. Ele anunciou que, com iOS 8, os dados criptografados em iPhones só poderiam ser desbloqueados com o código de acesso. “Ao contrário dos nossos concorrentes, a Apple não pode ignorar o código de acesso e, portanto, não pode acessar esses dados”.

Então, agora, se o governo quiser entrar em seu telefone, eles precisam fazer com que você digite sua senha. Um concorrente da Apple sentiu a ameaça. O Android rapidamente emitiu um “nós também!”. O anúncio, dizia que seu próximo sistema operacional também vai criptografar dados em smartphones, por padrão, para aqueles que utilizam um código de acesso. Os defensores da privacidade estão entusiasmados.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).