Negócios

Da NASA para o empreendedorismo

O caminho de Narie Foster para a indústria da moda foi bastante inesperado. Ela inicialmente traçou uma carreira na NASA, trabalhando com a resolução de problemas complexos de engenharia, mas ela se viu muito mais intrigada com a estratégia dos negócios. Depois de se formar na Cornell, ela se tornou consultora de gestão da Bain & Company, onde conheceu Sarah LaFleur.

“Lembro-me de um vôo pegamos juntas e nos queixamos sobre as roupas de trabalho e Sarah virou-se para mim e disse: alguém deveria fazer um vestido de trabalho melhor”, conta. “Na época, eu ri e concordei. Alguns anos depois, Sarah estava atrás disso”.

Foster se juntou imediatamente a LaFleur na fundação M.M. LAFLEUR, uma marca de moda para mulheres profissionais. “Nós nem sabíamos qual ia ser meu papel dentro da empresa, mas Sarah me segurou”.

“Nós juntamos nossa pequena quantidade de dinheiro adiantado para para provar que podíamos criar com sucesso um produto desejável, e primeiro era necessário encontrar algum talento experiente para desgin”, conta Foster. Outro membro importante da equipe foi Miyako Nakamura, o ex-designer chefe da Zac Posen, que se juntouno negócio como designer e co-fundador.

“Quando se trata de uma start up, pode ser difícil de estabelecer limites”, conta a empresária. “Levei um tempo para descobrir a minha fórmula pessoal para encontrar o equilíbrio”.  Além disso, Foster conta que para começar um negócio é preciso estar familizarizado com seus defeitos além de ter de descobrir talentos. “Você é empurrado para explorar os cantos de suas próprias capacidades e limites, e o efeito colateral é uma dose inesperada de auto-consciência, que é, sem dúvida, o instrumento mais importante para o sucesso organizacional”.

Topo