Negócios

A fantástica (e rentável) fábrica de chocolates de Alexandre Costa

De trufa em trufa, o empresário paulistano foi sur­preendentemente longe. A Cacau Show foi seu primeiro e único emprego. Hoje, aos 43 anos, ele é o único dono da Cacau Par, holding que controla a Cacau Show e a rede Brigaderia. A empresa foi criada para expandir os negócios a partir da aquisição de novos negócios e, quem sabe, criação de outras marcas. Sua situação é confortável: as vendas são ascendentes, as margens são gordas, a dívida é zero e o assédio dos compradores em potencial é enorme.

Seu desafio é desenhar o futuro da Cacau Show sem tropeços. Seu negócio é movido a volume e também inovação, ingredientes imprescindíveis para o mercado de consumo de massa. Costa já está se movimentando. Embora seja discreto ao falar de futuro, ele já traçou planos de curto, médio e longo prazo. Tem algumas certezas do que deve fazer e também do que deve evitar – caso da internacionalização da marca. “Não vou para fora a qualquer preço. Muito pouco brasileiro está ganhando dinheiro no exterior. Se tem uma coisa de que eu não abro mão é dormir na minha casa e estar com meus filhos.”

Uma importante decisão já tomada e antecipada com exclusividade à FORBES Brasil é seu plano de deixar a presidência executiva da companhia. O objetivo é usar seu tempo, tão demandado, de forma mais estratégica. Ou seja, menos burocracias e follow-ups com diretores. “Em um prazo de três a cinco anos, vou eleger um CEO, que deve vir de dentro da companhia, e passo a atuar apenas como presidente do conselho de administração. Mas vou vir todos os dias e trabalhar das 7h30 às 19h30. Tipo a Luiza Helena Trajano, que está todo dia lá no Magazine Luiza. Só que, ao invés de cuidar de assuntos mais burocráticos e dos follow-ups do dia a dia, vou ter espaço na agenda para focar em questões mais estratégicas, em relacionamento e no desenvolvimento de produto”, planeja, olhando longe.

Quando esse dia chegar, a Cacau Par provavelmente já deverá ter investido os US$ 55 milhões reservados para fazer aquisições de outras empresas. Essas compras, garante, não serão para já. O empresário explica que é preciso prospectar 30 negócios para fechar um. Dizem no mercado que, no passado, ele demonstrou interesse na rede Cristallo, mas as conversas não foram adiante.

Agora, ele está empenhado em expandir ainda mais a Cacau Show e desenvolver a Brigaderia, da qual detém 50,1% e que apresenta como desafio um produto de vida útil curta. “Não descarto que, no futuro, a gente amplie nossa atuação para outras áreas dentro do setor de alimentos. Nada muito distante do que fazemos hoje, mas, se achar um oceano azul, poderemos ter uma marca que atenda ao grande mercado. Não fecho a porta.” O retorno aos grandes varejistas está descartado? “Absolutamente nada é descartado. A gente veio desse mercado, que é muito difícil de negociar e não apresenta uma relação muito clara de ganha-ganha, mas isso não significa que um dia essa possibilidade esteja descartada”, afirma.

A cambaleante economia brasileira não assusta o empresário, que começou a trabalhar aos 14 anos como assistente de frentista. A receita consolidada da Cacau Show (fábrica mais lojas) é ascendente: R$ 2 bi­- lhões (R$ 700 milhões da fábrica) em 2013, R$ 2,4 bilhões em 2014 (R$ 838,5 milhões só da fábrica) e R$ 3 bilhões (R$ 1 bilhão advindo da fábrica) em 2015. Costa não fala de PIB, mas de PIC (Produto Inter­no do Cacau). O Brasil, explica, é o terceiro maior produtor mundial de chocolates (atrás apenas dos Estados Unidos e da Alemanha) e o quarto maior consumidor, com uma média de 3,5 quilos per capita por ano.

O Brasil deve consumir 790 mil toneladas de chocolates neste ano, segundo a Abicab (Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados). A Cacau Show, para se ter uma ideia, deve produzir 20 mil toneladas neste ano. O consumidor, por sua vez, está mais exigente. Ele já reconhece as diferenças do chocolate por região, por país e por tipo de concentração de cacau. “O que está acontecendo com o mercado de chocolate é o mesmo que houve com o de vinho. As pessoas estão se informando mais e, consequentemente, exigindo mais qualidade dos fabricantes. Para a Cacau Show, esse movimento é totalmente benéfico, já que uma das premissas da empresa é justamente fazer chocolates de qualidade, para todos os gostos e bolsos.”

Pesquisa Ibope encomendada pela Abicab revela que 14% dos entrevistados preferem chocolate meio amargo e 3% amargo. De olho nesse público, a Cacau Show criou desde a trufa com 70% de cacau até a caixa Intensidade, com minitabletes de chocolate em diversas graduações de cacau. Costa, claro, experimenta todos. Aliás, faz parte de seu ofício consumir exatos 100 gramas de chocolate por dia. A maioria, garante, é de sua marca, mas ele tem uma pequena geladeira em sua sala com produtos do cacau de diferentes partes do mundo.

O segredo para não engordar, além da tentação diária e do histórico familiar de pai e irmão de 120 quilos, é a combinação de atividade física e dieta regrada. Sacrifícios que o permitem comer chocolate diariamente. Mais do que consumir, o empresário entende muito do assunto e de todos os seus processos. Tanto que sua última grande paixão é o conceito chamado “from tree to bar” (da árvore ao tablete), o que o levou a investir em três fazendas de cacau em Linhares, no Espírito Santo. A partir do cacau originário de uma delas, a Fazenda Ceará, ele se prepara para lançar, em edição limitada, o tablete Origens, com 65% de cacau originário do local. “Como controlamos a origem do cacau e todo seu processo, preservamos o sabor e o aroma característicos do cultivo do grão naquela região”, promete.

Mas isso não é tudo. Inovação e embalagem são duas grandes apostas da marca, que lança nos próximos dias o macarrão de chocolate com molho de gianduia e uma caixa de sushi de chocolate criada em parceria com o renomado chef Jun Sakamoto. “É uma empresa que cresce com a renovação de seus produtos. Ela se sofisticou à medida que passou a investir em linhas mais premium e com alta concentração de cacau, além dos ovos recheados e da venda de café nas lojas. É uma empresa que chama a atenção por ser financeiramente saudável e antenada no consumidor”, observa Douglas Carvalho Jr., sócio-fundador da butique de fusões e aquisições Target Advisor.

Patrícia Landmann, diretora da Chocolat du Jour, diz que a história de Costa é respeitável e observa seu sucesso ao desbravar um nicho antes inexplorado. Mais do que atender um enorme público em busca de indulgência, Costa consegue fazer isso com uma margem (não divulgada) superior à da média da indústria de chocolates. Embora a marca seja acessível, o empresário admite que seu preço médio custa o dobro do das marcas de consumo de massa. Já na Páscoa, o preço é praticamente igual, o que traz uma grande vantagem competitiva para a Cacau Show. “Neste ano, um dia após a Páscoa, os supermercados apresentavam 15% de ovos nas prateleiras, enquanto nas nossas lojas restou apenas 0,1% de ovo. Temos 10% do mercado brasileiro de ovos”, conta.

Horizontes tão doces assim abriram, e não é de hoje, o apetite de investidores estrangeiros e nacionais pela Cacau Show. Comenta-se no mercado que mais de 30 interessados já bateram na porta da empresa. A cada 15 dias chega um e-mail de algum fundo interessado na marca. Esta, por sua vez, envia uma resposta padrão agradecendo e declinando. O próprio Costa revela, após ser perguntado se o BTG nunca o procurou, que André Esteves já esteve na Cacau Show há cerca de quatro anos. Muita gente do mercado já foi “conhecer” a empresa e não só para fins de benchmark. Outra história que circulou no mercado nos últimos tempos envolve a suíça Lindt. Uma fonte próxima ao Credit Suisse revelou à FORBES Brasil que “o banco assessorou a Lindt numa tentativa frustrada de compra da Cacau Show.

Em troca, eles ofereceram a Alexandre sociedade mundial na Lindt, mas ele não quis”, comentou. Depois surgiram novos rumores de que Costa traria a belga Godiva ao Brasil. Todas essas histórias foram colocadas na mesa durante a entrevista e receberam como resposta um “não comento rumores”. Isso significa que associações estão descartadas? “Imagine ter 100% de uma empresa muito próspera, que é benchmark mundial em termos de geração de caixa e tem zero de dívida? Só vamos fazer negócio se tivermos o controle. A gente construiu uma história sólida e não vamos aceitar relações onde a gente não tiver o controle. Eu não faria negócio com empresa nenhuma do mundo para ser minoritário”, esclarece. Como diz o ditado popular, para bom entendedor, meia palavra basta.

Carvalho Jr. acredita que, quando a fábrica da Cacau Show atingir faturamento acima de R$ 1 bilhão ou superar um Ebitda de R$ 150 milhões, o mercado vai considerar que a empresa estará preparada para enfrentar um processo de IPO. Nesse caso, o indicador que mais atrai os investidores é uma margem de 15%. Se vai haver ou não IPO, não se sabe. Certeza mesmo são os planos de Costa para os próximos 36 meses. Pelo ritmo de crescimento registrado, o empresário acredita que, em até três anos, dobrará a atual produção de chocolate da Cacau Show, de 20 mil toneladas por ano. A capacidade instalada da fábrica é de 40 mil toneladas/ano.

Pensando no médio e longo prazo, Costa acaba de fazer um movimento importante que vai demandar um investimento de R$ 100 milhões entre este ano e 2015. Ele resolveu comprar dois terrenos no entorno de sua fábrica. Somados, adicionarão 78 mil metros quadrados à atual estrutura de 55 mil metros quadrados. Em 2006, quando a fábrica da Cacau Show estava baseada no bairro da Casa Verde (em São Paulo), ela ocupava uma área de 5 mil metros de área construída. Nos novos espaços, há a intenção de já construir dois prédios modulares.

Mas não é só o lado industrial que o empresário pretende expandir. Além do aumento do número de lojas, um sonho antigo sairá do papel em 2015: a flagship store da marca, um espaço que irá muito além das lojas convencionais de 30 metros quadrados. “Quero criar a loja de chocolate mais legal do mundo e não estou brincando. Quero levar experiência em um espaço de 300 e 500 metros quadrados, com estação lúdica para crianças e espaço gourmet para adultos. Estou com umas ideias malucas”, comenta.

Qual a verba? “Ela é meio sem limite. Vamos gastar o que tiver que gastar para se tornar um projeto emblemático. Sem ser arrogante, eu te digo que a minha ambição é fazer com que o visitante de outro estado venha para São Paulo e visite essa loja como ponto turístico”, sonha. O espaço na capital paulista deverá ser o primeiro de alguns que poderão pipocar pelo país. “Não posso dar mais detalhes, mas te antecipo que vamos surpreender. Não existe lugar igual no Brasil hoje”, garante.

Topo