Negócios

Parceria entre rede chilena e hotel uruguaio atrai brasileiros para Punta del Este

O Uruguai está em alta. O país sul-americano recebe entre 2,8 milhões e 3 milhões de turistas por ano. Isto é quase o total de sua população de 3,4 milhões de habitantes. Depois da capital Montevideo, a litorânea Punta del Este é o destino mais procurado do país, especialmente por visitantes brasileiros.

“Punta é um destino que se assemelha ao europeu, mas na América Latina”, explica Juan Eduardo García, gerente geral do hotel Enjoy Conrad. “É mais rápido e mais barato.”

Segundo García, a cidade litorânea recebe entre 800.000 e 1 milhão de turistas por ano, cerca de 250.000 só no verão. Os brasileiros compõem por volta de 30% deste número. O resto é formado principalmente por argentinos, uruguaios e europeus.

Neste contexto, destaca-se o Conrad, hotel-cassino fundado em 1997 e adquirido há pouco mais de um ano pela rede chilena Enjoy. Como aponta García, o objetivo da empresa ao embarcar no Uruguai é inovar a proposta de entretenimento. Para isso, foi escolhido o principal ponto de hospedagem da cidade.

A rede tem três principais segmentos: jogos, gastronomia e hotelaria, além da produçãoo de eventos. A principal fonte de renda, no entanto, é o primeiro. Por isso, o cassino foi um dos principais focos de mudanças. “O que se vê hoje é bem diferente. Aquele que tinha antes, menor, já havia cumprido sua etapa”, conta García. “Colocamos máquinas novas, com mais tecnologia, um bar… É tudo parte de uma nova proposta de entretenimento.”

A rede inaugurou oficialmente a parceria em agosto de 2013, mas as negociações começaram no final de 2012 e duraram cerca de quatro meses. Foi feito um investimento de US$ 300 milhões, com 45% em ativos e o resto em cash. Espera-se um retorno entre um e três anos.

O gerente, chileno, chegou ao país antes das negociações terminarem para “melhorar as propostas de valor”. García avaliou as diferenças entre serviços, o perfil do público e o que poderia ser feito para aprimorar a experiência tanto dos hóspedes quanto dos turistas que vão apenas ao cassino ou aos restaurantes. Mais de um ano e meio depois, vê-se no resultado que o esforço e o dinheiro investido valeram a pena.

Topo