Negócios

Sony Mobile quadruplica vendas no Brasil com novo CEO

Jogar basquete dos 10 aos 21 anos, a ponto de quase tornar- se um profissional, foi imprescindível para educar o olhar de Ricardo Junqueira, presidente da Sony Mobile, sobre a vida pessoal, profissional, o trabalho em equipe e o mercado. “O esporte coletivo fez com que eu aprendesse a lidar com a competição, a concorrência e a pressão desde cedo. A concorrência tem início com seus colegas de time, quando todos disputam a posição de titular, e você tem que aprender a gerenciar isso, pois o seu amigo é seu concorrente naquele momento. E isso tudo não é muito diferente dentro de uma empresa”, conta o executivo de 39 anos, que assumiu o comando da operação brasileira da fabricante de smartphones, tablets e wearables em abril de 2013.

Com virtudes como flexibilidade e fácil adaptação a novos cenários, Junqueira traçou sua carreira dentro do grupo japonês. Entrou como assistente de marketing da Sony Electronics – que fabrica de câmeras digitais a televisores – há 16 anos e teve, ao longo de sua trajetória, que conviver com muitos chefes e várias situações de mudanças (algumas de estresse). Superou todos os obstáculos com muito trabalho e inteligência emocional (a vantagem de ter pais psicanalistas).

Há pouco mais de um ano, foi convidado pelo CEO da Sony Mobile (antiga Sony Ericsson) a comandar a operação brasileira. Apesar de a liderança do mercado de smartphones estar nas mãos da Apple e da Samsung, ele assumiu com o pé direito. O faturamento da filial quadruplicou em 2013 graças a uma combinação de sorte e suor. Sorte porque ele chegou à empresa no momento de atualização do portfólio.

Ou seja, quando os smartphones desenhados pela Sony Mobile desembarcaram pela primeira vez nas prateleiras das mais de 15 mil lojas brasileiras, do Walmart à Fast Shop. Resultado: novos desenhos e funcionalidades aliados a mais opções de produtos; boa estratégia de marketing, novos processos na área de vendas, com mais autonomia para o Brasil, que passou a comandar as duas fábricas terceirizadas no interior de São Paulo, ao invés de deixar este controle com a Sony Mobile de fora. “O salto nas vendas foi de 300%, o maior crescimento registrado entre as subsidiárias da companhia no mundo. Agora a meta é dobrar de tamanho em cima de uma base que já havia crescido bastante. Estamos ganhando participação de mercado”, garante Junqueira.

O fato de ter chegado jovem à presidência também pode ser atribuído ao seu amadurecimento precoce. Além do esporte, Junqueira conta que ter feito o último ano do colegial em Seattle, nos Estados Unidos, foi mais importante do que as três faculdades concluídas. “Mesmo estando na casa de uma família, aos 17 anos aprendi a viver sozinho. Porque é uma situação em que é você e você, tem que aprender a se virar.”

Topo