Negócios

Startup brasileira cria primeiro visualizador de imagens médicas 3D para tablets do mundo

“Como ninguém pensou nisso antes?” é o que todo empreendedor quer ouvir ao expor um projeto ou uma ideia em desenvolvimento. Enrico Golfetto sabe bem o que é isso: ele e mais três amigos são os responsáveis pela criação do primeiro aplicativo para tablets do mundo no qual é possível visualizar e manusear imagens médicas, como radiografias e tomografias, em blet3D.

O Navegatium surgiu de duas necessidades bem simples: empreender e descomplicar. “Percebemos que o mercado de visualizações médicas sofria com a falta de inovações e meios mais simples de trabalho”, explica Golfetto. As plataformas atuais obrigam o profissional que precisa estudar mais a fundo as imagens de exames a passar horas em um ambiente escuro e frio, com ferramentas pesadas e de manuseio complexo. “Nosso objetivo era transformar isso em um processo menos doloroso e mais prazeroso”.

Apesar de os quatro sócios e cofundadores atuarem em áreas diferentes (Diego Vieira e Gustavo Baita em desenvolvimento tecnológico, Bruno Risso em marketing e Golfetto, em negócios),  o grupo compartilha de mais de 10 anos de experiência em bioengenharia e na criação de tecnologia de ponta para a área médica.

O aplicativo multiplataforma passou um ano e meio em desenvolvimento antes de chegar ao Windows Store, cerca de quatro meses atrás. Como workstation, o usuário consegue explorar as imagens de forma completa. Ao baixá-las, diretamente de um computador pessoal, um pendrive ou dos arquivos do hospital, por exemplo, é possível manusear, recortar, aumentar e destacar qualquer segmento do corpo, inclusive com filtros avançados de contrastes de tecido.

Além da navegação simples e de fácil uso, o diferencial do visualizador está no Navegatium 3D Printing. A ferramenta inovadora permite que a plataforma crie volumes ultrarrealistas de qualquer órgão e tecido do corpo com as imagens radiológicas dos exames.  A partir deste volume isolado, o aplicativo gera um modelo 3D nos moldes de qualquer impressora do gênero do mercado.

O resultado disso são biomodelos precisos que podem ser usados em diversas áreas, como em próteses dentárias, ósseas, no planejamento cirúrgico, na farmacêutica com a impressão de tecidos humanos para testes de remédios. “Com a ferramenta que desenvolvemos e as tecnologias do mercado, novas aplicações surgem diaramente”, conta Golfetto.

A plataforma também traz o NVKB (Navegatium Knowledge Base), uma biblioteca já configurada de estudos e imagens médicas de diversas modalidades e áreas do corpo humano. O aplicativo pode ser acessado de qualquer tablet, laptop ou desktop equipado com o sistema Windows 8.1, sem ser necessário acesso à internet.

Por conta do curto período no mercado, Golfetto conta que a startup ainda não teve capitalização com o app, mas os interessados no produto não param de aparecer. Em especial, uma parceira com uma empresa de impressoras 3D em São Bernardo do Campo, São Paulo, para facilitar e agilizar os processos de impressão. Outro projeto, em desenvolvimento com o Hospital Israelista Albert Einstein, também está a caminho.

Com interface clean e uso fácil, Golfetto prevê que o app irá atrair muitos downloads de curiosos. Para ele, isso coloca um holofote importante no trabalho. “Apesar do público-alvo ser a área médica, o intuito é criar algo que seja prático e preciso para qualquer tipo de usuário.” 100% touchscreen, o Navegatium está disponível gratuitamente apenas para dispositivos Android.

Topo