Negócios

Cariocas fazem sucesso (e dinheiro) com blog fitness

Renan Braga

Renan Braga

É difícil conciliar a rotina e a vida saudável. Trabalhar o dia inteiro, passar tempo com a família, encontrar os amigos… Pra certas pessoas, a academia não é prioridade e acaba esquecida na correria do cotidiano.

Para Rodrigo Purchio, 24 anos, e Roberta Pacheco, 23 anos, nunca foi assim. Mesmo antes de serem um casal, os cariocas sempre foram fãs de comer direito e fazer exercícios físicos. Para dificultar um pouco mais o dia a dia, em 2013, quando já namoravam, decidiram criar um blog para contar sobre suas atividades e suas receitas pouco gordurosas. O Frango com Batata Doce começou como um hobby – o nome do site faz bastante sentido para quem conhece o estilo de vida “maromba”.

Apesar de esses alimentos serem a base da alimentação dos dois, eles cansaram de comer sempre a mesma coisa e começaram a testar receitas. “A Beta sempre teve jeito para cozinha e começou a trocar os ingredientes gordos por outros mais magros”, conta Rodrigo. Cada um passou para meia dúzia de amigos mas, por acaso, o Frango com Batata Doce saiu do controle e, em poucas semanas, já tinha um número de acessos inimaginável para os dois.

Eles gostaram do que aconteceu e procuraram maneiras de atingir mais seu público e contar mais do dia a dia saudável. Assim, decidiram criar uma conta no Instagram, no qual têm, hoje, 294.000 seguidores, e um canal no Youtube, atualmente com mais de 12.000 inscritos.

LEIA MAIS: Empreendedorismo em série à brasileira: como Marcos Tartuci mudou diversas empresas

Aos poucos ficou difícil conciliar tudo: “tomou proporções muito grandes, marcas começaram a entrar em contato para fazermos posts de publicidade”, relembra o carioca. Roberta, que ainda era estudante de arquitetura na época, resolveu largar o estágio para poder se dedicar ao blog. Para o Rodrigo, não foi tão simples assim. Formado em publicidade e propaganda, ele já tinha MBA em design e não tinha certeza se estava disposto a largar a carreira. “Um dia meu chefe veio me perguntar o que eu queria: seguir carreira na minha área ou me dedicar ao meu blog.” Indeciso, ele resolveu ouvir os conselhos do seu superior. “Ele disse que eu ainda era jovem e devia investir no meu próprio negócio.”

O Frango com Batata Doce vivia uma fase de crescimento, mas ainda não dava o retorno financeiro que o casal precisava. “A sorte era que ainda morávamos com nossos pais.” Rodrigo conta que, no momento de transição, o medo foi grande, mas puderam contar com ajuda dos pais, o que foi essencial, especialmente no quesito financeiro.

A internet se tornou a principal fonte de renda do casal carioca, mas a fórmula do sucesso foi não se dedicar apenas ao blog. Eles também reconhecem a importância das redes sociais. A febre do aplicativo Snapchat ajuda o casal a interagir com os fãs, que podem acompanhar as refeições, os treinos e até os momentos de descanso dos dois, que hoje vivem em São Paulo. Foi especialmente por essas mídias que os fãs puderam acompanhar a troca das corridas no calçadão da zona sul carioca pelos treinos de ioga de Roberta no Ibirapuera.

A mudança aconteceu em 2015, quando decidiram morar juntos. Apesar de parecer que se pode trabalhar com internet de qualquer lugar, eles contam que 90% da decisão de morar em São Paulo foi pelo Frango com Batata Doce. “Mesmo que o mercado de blogs esteja em crescimento no Rio, ele é bem mais consolidado aqui”, explica Rodrigo. Eles queriam uma agência que pudesse cuidar da parte comercial dos negócios para que o casal pudesse se dedicar integralmente ao conteúdo.

Trabalhar na internet parece perfeito: não tem hora para chegar, é possível ir a academia a qualquer hora do dia, há mais tempo para ficar em casa  e com a família… Mas Rodrigo acha que o que torna o trabalho on-line uma vantagem, é também ruim de certa forma. “O mais fácil é poder trabalhar de qualquer lugar e o mais difícil é poder trabalhar de qualquer lugar!”, opina o carioca de forma bem humorada, exatamente da mesma forma como é nos vídeos de receitas no canal do Youtube. Rodrigo explica que o trabalho deles é documentar o dia a dia. Por isso, trabalham 24 horas por dia, sete dias por semana. “É difícil relaxar. Quando vamos viajar só para descansar, conhecer algum lugar novo, sempre fazemos alguma coisa para o blog.” Foi o caso da última viagem do casal, quando foram à Nova York. “A ideia era eu conhecer a cidade com a Beta e depois iríamos encontrar a mãe dela, mas no fim fizemos um roteiro saudável, vídeos pro canal, etc”, conta.

Até as camisetas feitas pelo casal como uma brincadeira viraram assunto sério. Estampadas com a frase “frango com batata doce is the new arroz com feijão”, elas foram feitas apenas para os amigos do casal. No entanto, os pedidos foram inúmeros e, agora, são vendidas em um e-commerce.

VEJA TAMBÉM: Instagram muda forma de anúncios para serem mais eficientes (e venderem mais)

Rodrigo conta que tanto ele quanto a Roberta são muito criativos, então criaram uma maneira diferente de ganhar dinheiro com o blog. Todo mundo dizia a eles que as propagandas que aparecem no site, ao lado dos posts, são uma das maiores fontes de renda, mas não para eles. “Nós pensamos em projetos e apresentamos para as marcas”, explica. Ou seja, o casal entra em contato com empresas que fazem produtos que eles gostam e fazem uma proposta para trabalharem juntos. “A ideia é falar de algo que usamos no dia a dia.”

Um exemplo dado pelo carioca foi o aplicativo Uber, que causou polêmica nas mídias do casal há pouco tempo. “Eu uso desde 2013 e, recentemente, meu amigo começou a trabalhar nas redes sociais e ofereceu para que nós tivéssemos um código nosso, para os fãs usarem e terem crédito. Não ganhamos um centavo com isso, foi mais uma troca de favores”, diz. Rodrigo se intitula como um “nerd solidário”, porque gosta de compartilhar tudo aquilo que considera útil para ajudar os outros.

É justamente essa vontade de dar dicas boas que rege a ética do casal em relação aos presentes que ganham e as propostas que fazem a eles. “Algumas delas são indecentes, e nós recusamos. Se nós não acreditamos em um produto, não o usamos, não vemos benefícios, não vamos divulgar.”

Comentários
Topo