Paulo Sérgio Silva, o CEO rock and roll do Walmart.com Brasil

Letícia Moreira
Letícia Moreira

A sede do Walmart.com Brasil, em um moderno prédio instalado em Alphaville (na Grande São Paulo) é descontraída e tem o mesmo ambiente bem-humorado e jovial do Google. Muito distante dos sóbrios escritórios da velha economia, a mesa do CEO, sempre aberta a quem quiser, tem duas grandes telas que mostram, em tempo real, a movimentação do centro de distribuição de Cajamar (SP), o maior dos quatro que o e-commerce opera hoje no Brasil, e também o desempenho das vendas no site, com detalhes sobre o número de visitantes, o valor vendido até aquele segundo, os produtos mais comprados — dentre outras informações estratégicas para o negócio e proibidas para fotos de FORBES Brasil. A tecnologia fornece ao comandante da operação brasileira, uma das quatro mais importantes para o Walmart.com no mundo ao lado dos Estados Unidos, Inglaterra e China, dados tão detalhados que chegam a mostrar a página onde o internauta parou antes de efetivamente finalizar a compra.

Reverter desistências e levar o consumidor até o caixa é uma das vocações de Paulo Sérgio Silva, 50 anos, ou para os funcionários do Walmart.com, simplesmente “Paulão”. O apelido faz jus ao nome do executivo que em nada lembra o padrão de presidente bem-sucedido que circula pelo mercado engomadinho, com gel no cabelo e terno alinhado. Com cara de roqueiro, jeito descontraído e um sorriso quase que constante no rosto, Paulão é o dono dos olhos que tudo veem através dos telões que decifram em números e gráficos todos os acontecimentos por trás de um dos maiores sites de comércio eletrônico do país, com 13 milhões de visitantes por mês (dado da ComScore) e cerca de 800 mil produtos à venda — entre nacionais, importados e advindos de mais de 300 parceiros como a Saraiva. Estima-se que, com todos esses números, o Walmart.com seja hoje a terceira maior empresa de e-commerce do país em audiência e vendas.

Os bastidores do negócio, que tem 1,5 mil funcionários no Brasil, não têm nada a ver com o de um varejista tradicional. Assim como seu mandachuva, que começou a trabalhar nos primórdios da internet no Brasil, tem paixão pela música, é guitarrista da banda Soul Good e, graças ao seu jeito franco e amigo, transformou a sala do chefe (sem paredes) no chamado “consultório do Paulão”. Quem trabalha com ele conta que sempre tem alguém sentado ali, recebendo conselhos, trocando ideias, sonhando em inovar. O resultado é que o executivo acaba tendo mais trabalho, fica mais horas na empresa, mas motiva mais a equipe. Paulistano da gema, como gosta de dizer, estudou publicidade após desistir da engenharia. No comecinho da web, foi acionista minoritário do Nutecnet, provedor de acesso à internet que, mais tarde, seria vendido ao Grupo RBS para dar origem ao ZAZ, portal de conteúdo da empresa de mídia gaúcha. Posteriormente, o negócio foi novamente vendido para o Grupo Telefônica, para dar origem ao Terra. Ele foi um dos precursores da publicidade on-line no Brasil e um dos fundadores da entidade que daria origem ao atual IAB Brasil (Interactive Advertising Bureau). “Vendi o primeiro, senão um dos primeiros banners do Brasil, quando não existia regra nem precificação”, lembra.

No Grupo Telefônica, o executivo atuou por 12 anos como vice-presidente responsável pelas vendas de publicidade on-line na América Latina, Estados Unidos e Espanha. Ficou até 2012, quando resolveu mudar. “Precisava de novos ares e fui tirar um ano sabático. Aprimorei minha banda de soul music e rock, melhorei o estúdio de gravação que tinha em casa, viajei pela Europa com a esposa e dei uns rolês de moto pelos Estados Unidos, viajando pela Highway One de Los Angeles para São Francisco. No Brasil, também fui de moto até Jericoacoara [CE]. E, de quebra, passei mais tempo com meus filhos [hoje com 24 e 17].”

Em abril de 2013, foi convidado para atuar no Walmart.com Brasil como vice-presidente de desenvolvimento de negócios na América Latina. Em julho passado, foi promovido a COO (Chief Operation Officer) para a América Latina e, no mês seguinte, acumulou o posto de CEO do Brasil. Nesse meio tempo, seu chefe Fernando Madeira, até então CEO da operação latino-americana, foi promovido a CEO do Walmart.com nos Estados Unidos e América Latina — hoje ele vive em San Bruno, no Vale do Silício.

Com esse jeito carismático e inofensivo, Paulão tem conseguido incomodar a concorrência a partir de uma taxa de crescimento anual do negócio da ordem de 40% ao ano. A seu favor, conta o fato de a operação pontocom atuar de forma independente da rede varejista de lojas físicas desde a virada de 2012 para 2013. O prédio mudou, assim como o CNPJ, a equipe, o centro de distribuição, a malha logística e o mindset. “Como todo negócio de e-commerce, o Walmart.com nasceu há seis anos dentro da organização como primeira experiência para entrar e entender o mundo digital. Há três anos, houve o spin-off da operação. Como o Brasil é um dos quatro mercados-chave, essa divisão fez todo sentido para trazer mais velocidade de crescimento e capacidade para brigar de igual para igual com os players locais.

A negociação com os fornecedores não é feita de forma casada — lojas físicas e pontocom. “Não somos um canal de vendas do Walmart. Somos uma empresa de internet. Essa liberdade nos permite testar coisas que o varejo não faz. Hoje, por exemplo, temos uma área de vendas separada da comercial (que, na maioria das empresas, negocia com o fornecedor e monta o rol de produtos e os precifica para o consumidor). Com esse novo formato, você tem o benefício de ter um grupo de pessoas pensando em como vender, o que vender, o preço e a estratégia de marketing. Acho que somos a única empresa no mundo a fazer isso”, explica Paulão, o idealizador da mudança, que começou a ser desenhada em outubro de 2014 e foi implementada no último semestre do ano passado.

O resultado: Paulão garante que o Walmart.com está vendendo muito mais. “Hoje, nossa discussão sobre vendas é muito mais rica. O profissional de vendas pensa apenas em vender e pressiona o pessoal do comercial a comprar melhor. Eles se conversam todo dia às 11h e eu participo dessa reunião.” Dessas reuniões saíram ideias de produtos que resultaram em grande sucesso de vendas, como a vitrola portátil Crosley Cruiser, que pode ser encontrada em cores como laranja e custa R$ 499. Trata-se de uma importação própria de um produto exclusivo do Walmart.com do Brasil, não encontrado nas lojas físicas da marca. “O mix de produtos cresceu assim como a importação.”

O site também ganhou diferenciais como conteúdo e vídeo. A área de lifestyle, por exemplo, conta com especialistas como Fernanda Meza, que já atuou na internacionalização de Havaianas, da Alpargatas. Vídeos da SPFW e das semanas de moda de Londres e Milão, por exemplo, são transmitidos pelo site ao vivo. Isso tem uma explicação: por volta de 40% dos consumidores do site são mulheres. “Aqui não é simplesmente um ambiente para se entrar, ver o preço e sair. Estamos inovando para competir com players que estão há anos no mercado”, observa Paulão, que não quer só market share, mas, também, crescimento sustentável.

O reflexo no aumento das vendas se traduz em investimentos. Com quatro centros de distribuição em operação no Brasil — em Cajamar (SP), Betim e Vespasiano (MG) e Cabo de Santo Agostinho (PE) —, a empresa acaba de assinar um protocolo de intenções com o governo de Minas Gerais para investir R$ 150 milhões na construção de seu quinto CD do país (e segundo próprio, depois do de Cajamar). O projeto deve durar 15 meses e será o maior da pontocom no país, com a previsão de geração de 2 mil empregos nos três primeiros anos. “A crise não nos afetou e não mudou nossos planos. Temos metas agressivas e vamos crescer acima do mercado. Com crise ou sem crise, quem estiver aqui para ficar terá que conviver com isso.”

O negócio hoje é conduzido por uma equipe multicultural e multidisciplinar. Tem brasileiros, argentinos, franceses, americanos e até chineses que vieram de empresas como Google, Microsoft, Intel, BBC, dentre outros.

“Aqui misturamos perfis de NRF [National Retail Federation] com SXSW [South by Southwest], um conjunto de festivais de cinema, música e tecnologia que acontece toda primavera em Austin. Perfis tão diferentes pedem áreas comuns igualmente diferentes na empresa, onde é possível, por favor, jogar Guitar Hero, Xbox ou tocar violão no meio do expediente. Há uma sala para esse fim na sede da companhia em Alphaville.”

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).