Negócios

Apesar da crise, setor de tecnologia no Brasil cresce dois dígitos

iStock

iStock

Apesar de uma série de circunstâncias macroeconômicas, que incluem recessão econômica, escândalos de corrupção e pedidos de impeachment da presidente Dilma Rousseff, a indústria de tecnologia no Brasil está prosperando. Startups estão efervescendo, com financiamentos sendo anunciados tão rápido quanto as más notícias. A previsão é de cerca de US$ 150 milhões de investimentos para este semestre.

O investidor de risco Anderson Thees, sócio-fundador do fundo de investimentos Redpoint e.ventures, em São Paulo, revelou ao site norte-americano TechCrunch que o e-commerce e os setores de internet cresceram cerca de 20% ano a ano, enquanto o PIB do Brasil manteve-se baixo. É garantido que o setor de tecnologia continuará a crescer.

FOTOS: 29 apps para melhorar sua produtividade no trabalho

Ainda que apenas cerca da metade da população do Brasil tenha acesso on-line, o país já é o quinto maior mercado de internet e telefone celular do mundo, está entre os cinco maiores mercados do Facebook, Google e Twitter e é um dos mercados de smartphones que cresce mais rápido – com mais 100 milhões de pessoas começando a se conectar.

Na semana passada, enquanto o Brasil debatia a decisão da Standard & Poor’s de cortar o grau de investimento e colocar a nota do país em perspectiva negativa, grandes investidores de capital de risco e empreendedores do país se reuniram em São Paulo para celebrar o lançamento do Cubo, um espaço, chamado de co-working, para que startups de tecnologia trabalhem juntas.

VEJA TAMBÉM: Comércio eletrônico brasileiro vence crise e crescerá neste ano

O investimento, parceria entre a Redpoint e.ventures e o banco Itaú, não visa lucros: é um espaço de escritório para 250 empreendedores e 50 startups, distribuídos em cinco andares no bairro Vila Olímpia, além de um auditório para eventos e um terraço aberto ao público com o objetivo de encorajar o uso do Cubo como um espaço de convivência para a comunidade tecnológica.

Não há números exatos sobre os investimentos de capital de risco no Brasil neste ano e no ano passado, em parte porque os empreendedores brasileiros (e seus investidores) estão notoriamente hesitantes em divulgar seus investimentos ou seus valores em dólar. Mas o investimento em capital de risco na América Latina cresceu mais de 800% desde 2010, totalizando em mais de US$ 650 milhões.

Segundo a matéria divulgada pelo TuchCrunch, no Brasil, startups têm anunciado pelo menos um acordo por semana nos últimos meses, enquanto investidores locais e internacionais têm se unido para investir pelo menos US$ 150 milhões em telefonia celular, e-commerce, educação, bancos, transporte, serviços e setores de segurança nesse verão. “O que é um pouco estranho, e muito benéfico, é a forma em que a economia digital está se saindo bem apesar da crise”, afirmou Thees à publicação.

A Redpoint e.ventures anunciou seis acordos nos últimos meses: investimentos semente nas startups Olist, Escale e Intoo; US$ 3 milhões de investimento na primeira rodada, com o Accion’s Frontier Investments Group e a QED Investors na startup BankFacil; investimento na segunda rodada, com a plataforma de marketing digital Resultados Digitais e a empresa de análise de dados Cortex Intelligence. Thees revelou que o número total de acordos é quase o mesmo do que o do ano passado, mas as oportunidades são melhores agora, pois um pouco da agitação do Brasil diminuiu. “Aqueles empresários que estavam saindo de grandes empresas esperando ganhar uma fortuna em seis meses – isso acabou”.

E MAIS: E-commerce brasileiro tem receita de R$ 5,2 milhões só com cultura pop

“Se a crise permanecer por muito tempo, pode nos afetar”, ponderou o empreendedor, “mas, agora, o que temos é uma diferença entre o que acontece no ecossistema de startups e o que acontece na macroeconomia. Seria melhor se não tivéssemos isso, mas, talvez, acabaremos crescendo mais rápido assim. Porque, quando tudo está ótimo, as pessoas tendem a não mudar seu comportamento. As pessoas tendem a prestar mais atenção em eficiência agora, e podem estar mais ávidas por experimentar coisas novas”.

Comentários
Topo