Negócios

Carro autônomo do Google causa seu primeiro acidente

Getty Images

Getty Images

Um dia isso iria acontecer. Um dos carros autônomos do Google parece ter sido a causa de um acidente pela primeira vez, de acordo com um novo relatório postado no website do Departamento de Veículos Automotivos da Califórnia.

O incidente ocorreu no dia 14 de fevereiro quando o carro Lexus do Google estava no modo autônomo dirigindo por uma via pública em Mountain View, cidade natal do Google, na Califórnia. Quando o carro alcançou um cruzamento, ele sinalizou para a direita. Havia alguns sacos de areia na rua que ele tentou evitar. Ao tentar voltar para a pista central, atingiu a lateral de um ônibus público.

O relatório não atribui nenhuma culpa, mas diz que o motorista teste assumiu que o ônibus iria deixar o carro voltar para a pista. ”O motorista teste do veículo autônomo do Google viu o ônibus se aproximando no espelho retrovisor esquerdo mas pensou que o ônibus iria parar ou desacelerar para permitir que o carro do Google continuasse. Aproximadamente três segundos depois, o carro estava entrando novamente na pista central quando chocou-se à lateral do ônibus.”

LEIA TAMBÉM: Google estuda carregadores sem fio para carros autônomos

Os sensores de 360 graus do carro provavelmente perceberam o ônibus vindo, mas também pensaram que o ônibus iria parar.

O Google admitiu que o seu carro foi o culpado em um relatório mensal de fevereiro enviado a FORBES:

“Nosso motorista teste, que estava observando o ônibus no espelho, também esperava que o ônibus desacelerasse ou parasse. E nós podemos imaginar que o motorista do ônibus pensou que nós iríamos ficar parados. Infelizmente, todas essas conclusões nos levaram ao mesmo ponto na pista ao mesmo tempo. Esse tipo de mal entendido acontece entre motoristas humanos nas ruas todos os dias.

Este é um clássico exemplo de negociação que é uma parte normal da direção – todos estamos tentando prever os movimentos do outro. Nesse casso, nós claramente temos alguma responsabilidade, porque se nosso carro não houvesse se movido não haveria colisão. Dito isso, nosso motorista teste acreditou que o ônibus iria desacelerar ou parar para permitir que nós voltássemos para o trânsito, e que haveria espaço o suficiente para isso.

Nós já revivemos o incidente (e milhares de variações dele) em nosso simulador em detalhes e fizemos refinamentos em nosso software. De agora em diante, nossos carros irão entender mais profundamente que os ônibus e outros veículos grandes têm menos probabilidade de dar a vez para nós do que outros tipos de veículo, e nós esperamos lidar melhor com situações como esta no futuro.”

E MAIS: Google perdeu mais de US$ 3,5 bi em carros, robôs e outras apostas em 2015

O carro autônomo viajava a menos de 3,2 km/h, enquanto o ônibus viajava a 24 km/h. O para-lama dianteiro da esquerda, a roda dianteira do mesmo lado e um dos sensores laterais do carro do Google foram danificados. Nenhum ferimento foi reportado.

Este dificilmente será um marco contra o futuro dos carros autônomos. O Google tem testado seus carros há anos. Os veículos já estiveram envolvidos em cerca de uma dúzia de colisões, mas a maioria foram traseiras. Estatisticamente, os números sugerem que eles podem ser mais seguros do que motoristas humanos em muitas situações.

Comentários
Topo