Negócios

Sony vai comprar a metade de Michael Jackson da Sony/ATV por US$ 750 milhões

Getty Images

Getty Images

Michael Jackson ganhou mais do que qualquer outro profissional do entretenimento vivo ou morto nos primeiros cinco anos após sua morte, em 2009. Quando este total superou US$ 1 bilhão no ano passado, foi um marco incomparável – pelo menos até agora, quando o espólio do astro pop anunciou a venda de metade do catálogo do músico pertencente à editora Sony/ATV à Sony por US$ 750 milhões.

“Quando a Sony se juntou a Michael Jackson, há 21 anos, para criar a Sony/ATV Music Publishing, nós sabíamos que essa empresa tinha capacidade para chegar muito longe”, disse Michael Lynton, CEO da Sony Entertainment. “Essa aquisição permitirá que a Sony se adapte mais rapidamente as mudanças no mercado de publicações musicais.”

O acordo também representa uma confirmação do quanto MJ era esperto para fazer negócios. Ele comprou a ATV, que detinha grande parte dos direitos autorais dos Beatles, em 1985 por US$ 47,5 milhões – apesar das objeções de muitos de sua equipe, que achavam que ele estava pagando muito caro. Porém, o Rei do Pop aprendeu muito ao observar seu mentor da Motown Berry Gordy, que acumulou um catálogo valioso ao longo dos anos.

LEIA MAIS: Por que Michael Jackson ganhará mais do que qualquer músico na história neste ano

“Ele pegou o jeito”, disse Gordy em entrevista para o livro “Michael Jackson, Inc.”. “E isso deu a ele a vontade de fazer algo ainda melhor.”

Michael Jackson percebeu o grande lucro que seu investimento poderia dar no meio da década de 1990, quando fundiu seu catálogo ao da Sony em troca de US$ 115 milhões – e uma participação de 50% na recém-formada Sony/ATV. Como parte do acordo, a Sony não podia atuar no negócio de publicação, o que permitia que Jackson lucrasse igualmente com a aquisição de novos direitos autorais, como os de Eminem e de Taylor Swift.

Quando MJ morreu em 2009, no meio do tumulto financeiro da grande recessão, alguns acreditavam que os responsáveis por seu espólio poderiam ser obrigados a vender sua metade para pagar a dívida de meio milhão de dólares deixada pelo artista. Porém, os executores John Branca e John McClain rapidamente conseguiram acordos de direitos autorais de filmes e novas músicas, colocando o cantor no caminho para ganhar mais de US$ 100 milhões a cada ano depois da sua morte.

VEJA TAMBÉM: Como Michael Jackson construiu sua carreira bilionária

Enquanto era vivo, Michael Jackson falou algumas vezes sobre sua intenção de deixar sua participação na Sony/ATV para seus filhos, e seu espólio manifestou interesse em comprar a metade da Sony quando uma cláusula que permitia que um lado comprasse o outro foi descoberta. Porém, um acordo como este teria exigido um outro sócio, provavelmente diluindo o controle para uma participação sem comando na empresa.

“Essa transação permite que continuemos nossos esforços para maximizar o valor do espólio de Michael para benefício de seus filhos”, disseram Branca e McClain. “Também vale lembrar a visão de MJ ao investir na edição musical.”

Os filhos de Jackson ainda serão capazes de aproveitar os frutos da genialidade do pai – depois que as taxas e as dívidas de aquisição associadas ao catálogo forem pagas, ainda deverão sobrar centenas de milhões de dólares esperando por eles quando eles tiverem idade suficiente para ganhar acesso irrestrito a seus bens.

RANKING: 13 celebridades mortas mais lucrativas do mundo em 2015

O espólio ainda é dono do controle da Mijac Music, que detém os próprios direitos autorais de Jackson, assim como uma participação em direitos autorais recém-adquiridos. Isso, junto com o show temático do cantor no Cirque du Soleil, em Las Vegas, e lançamentos de músicas, deve manter Michael Jackson no topo da lista de celebridades mortas mais bem pagas da FORBES.

O acordo, que coloca o valor de empresa perto dos US$ 2 bilhões, ainda está sujeito a aprovação dos órgãos reguladores, e pode demorar a ser concluído. Quando isso acontecer, Michael Jackson terá a última chance de rir daqueles que o desencorajaram e menosprezaram há tantos anos, já que sua metade na Sony/ATV estará sendo comercializada por 15 vezes o valor que ele pagou pelo catálogo original. Como ele mesmo afirmou ao CEO da Sony/ATV Marty Bandeier em 2007: “Eu disse que eu conhecia o negócio de edição musical”.

Comentários
Topo