Negócios

Se fossem funcionários, motoristas do Uber teriam direito a US$ 730 mi

Divulgação

Divulgação

Motoristas que trabalharam para o serviço de transportes urbanos Uber nos Estados norte-americanos da Califórnia e Massachusetts nos últimos sete anos teriam direito a cerca de US$730 milhões em reembolsos de despesas se fossem funcionários contratados, em vez de prestadores de serviço, de acordo com documentos judiciais que vieram a público nesta segunda-feira (9).

O número foi calculado por advogados de motoristas numa ação coletiva contra a empresa, baseado em uma taxa padrão para reembolso de quilometragem estabelecido pelo governo dos EUA, e em dados fornecidos pelo Uber, que é contra a ideia de que motoristas sempre teriam direito a esta taxa de reembolso.

VEJA TAMBÉM: Motoristas do Uber de Nova York formam associação trabalhista

O Uber e o rival menor Lyft estão tentando encerrar ações judiciais movidas por motoristas que argumentam que deveriam ser classificados como funcionários e ter direito a reembolsos para despesas, incluindo gasolina e manutenção de veículos. Os próprios motoristas atualmente arcam com estes custos.

A proposta de acordo define que o Uber pague aos motoristas até 100 milhões de dólares. Um juiz federal de San Francisco deve decidir se o acordo é justo e o potencial total de danos em jogo no processo que provavelmente comportará sua análise.

LEIA MAIS: Uber estreia serviço de viagem compartilhada nesta sexta

(Por Dan Levine)

Comentários
Topo