Negócios

Verizon anuncia compra do Yahoo! por US$ 4,8 bilhões

Getty Images

Getty Images

Houve um tempo em que o Yahoo! era o gigante da internet, tão grande quanto Google e Facebook hoje em dia, que era avaliado em US$ 125 bilhões. Na manhã de hoje (25), no entanto, a Verizon anunciou a compra da companhia por míseros US$ 4,83 bilhões.

A negociação encerra a independência de uma das marcas mais importantes do Vale do Silício e une duas das empresas falidas da região, já que a Verizon comprou a AOL ano passado por US$ 4,4 bilhões. A maior provedora de internet Wi-Fi dos Estados Unidos ganhará, com a fusão, mais de 140 milhões de usuários.

VEJA MAIS: 20 CEOs mais poderosos abaixo dos 40 anos

Especialistas dizem que o Yahoo! é o mesmo há dez anos. A maioria dos internautas faz uso do portal para consultar notícias, a previsão do tempo e funções como e-mail. Como a atenção de todos se voltou para os smartphones, a insistência em tecnologias de desktop foi a bancarrota da empresa.

A companhia teve início em 1994, quando os alunos de Stanford Jerry Yang e David Filo começaram uma curadoria de diferentes sites úteis em um único espaço. Em 1996, o espaço veio a público, com valor de US$ 500 por ação.

E AINDA: 10 ações de tecnologia que os bilionários mais compraram em 2015

No auge dos negócios, a companhia comprou os sites Geocities, por US$ 4,5 bilhões, e Broadcast.com, por US$ 5,7 bilhões. A mais recente aquisição foi a rede social jovem Tumblr, por US$ 1,1 bilhão. Essas compras, em sua maioria de sites com pequeno público, balançaram as finanças da empresa.

Marissa Mayer, atual CEO do Yahoo!, tenta, há quatro anos, consertar os problemas da empresa. O que manteve a companhia de pé até hoje foi a compra de 40% da empresa de negócios chinesa Alibaba, feita pelo fundador Jerry Yang em 2005. Mesmo tendo vendido boa parte dessa porcentagem, o Yahoo ainda valeria US$ 30 bilhões, segundo economistas.

Depois de 22 anos de funcionamento independente, o Yahoo! será finalmente vendido. Na fila, ficaram os bilionários Dan Gilbert e Warren Buffett, com ofertas ainda menores do que a da Verizon.

Comentários
Topo