Negócios

Piloto automático da Tesla não é páreo para hackers

(iStock)

(iStock)

O motorista de um Tesla Model S morreu no começo de maio quando ele e o piloto automático não perceberam um trator cruzando em frente ao carro em uma estrada na Flórida. Enquanto esse acidente parecia uma junção de coincidências, após investigações, parece que não é preciso muita coisa para que isso se repita com outros motoristas.

Pesquisadores da Universidade da Carolina do Sul, nos Estados Unidos, e da Universidade de Zhejiang, na China, em colaboração com a empresa chinesa de segurança Qihoo 360, dizem que todos conseguiram enganar o piloto automático e fazê-lo ver obstáculos fantasma.

LEIA MAIS: SolarCity fecha acordo de US$ 2,6 bilhões para se fundir à Tesla

De acordo com a revista “Wired”, os pesquisadores detalharão na Defcon Hacker Conference como eles utilizaram aparelhos relativamente acessíveis para enganar os sensores da Tesla.

Curiosamente, os pesquisadores não tiveram que se infiltrar no sistema do carro. Eles simplesmente mexeram no radar frontal, nos sensores ultrassônicos e nas câmeras ao expô-los a várias máquinas emissoras de luz, rádio e som. E mais, eles também conseguiram recriar o mesmo efeito ao cercar o carro com espuma acústica, muito mais barata que outros dispositivos usados.

LEIA MAIS: Empresa israelense se desliga da Tesla em prol da BMW

Apesar de ser difícil que alguém envolva um carro com espuma ou use aparelhos que custam dezenas de milhares de dólares, esses resultados mostram que o sistema da Tesla é mais falho do que se imaginava.

Comentários
Topo