Negócios

Theranos apresenta novo aparelho de exame sanguíneo

(Getty Images)

(Getty Images)

Theranos, a polêmica startup de exames de sangue que anunciou que conseguia fazer centenas de testes com uma gota de sangue, apresentou na última segunda-feira (1º) novos detalhes sobre seus testes no encontro anual da American Association for Clinical Chemistry.

Os tópicos da apresentação, que a Theranos permtiu à FORBES que lesse antes do dia D,
aborda novos detalhes tecnológicos da companhia, mantidos em segredo até agora. Porém, provavelmente esses segredos não farão cessar as críticas, apenas levantarão mais questões sobre essa startup que está sendo investigada pela Comissão de Títulos e Câmbios dos Estados Unidos.

LEIA MAIS: Família de Amy Winehouse abre instituição de reabilitação para mulheres

Ao invés disso, Elizabeth Holmes, fundadora e CEO da empresa, mostrará aos cientistas detalhes de um novo dispositivo chamado miniLab system, assim como os resultados de testes de colesterol, contagem de glóbulos brancos e zika vírus.

“Os resultados que apresentamos demonstram as invenções – e alguns dos processos analíticos – do miniLab system, uma plataforma que criamos para processar pequenas amostras de sangue por meio de diferentes metodologias. Esperamos que o FDA (Food and Drug Administration) aprove nosso produto o mais rápido possível.”

LEIA MAIS: Companhia privada norte-americana ganha direito sobre exploração da Lua

A maioria dos dados que podem ser analisados pelo miniLab necessitam de sangue tirado direto das veias, não da ponta dos dedos, principal característica das campanhas iniciais da Theranos. Só foram incluídos dados de 11 testes. A empresa diz que o cartucho do miniLab pode fazer até 40 testes. É uma longa distância das notas emitidas pela companhia, dizendo que o aparelho era capaz de realizar vários testes com uma gota de sangue.

“Isto é, essencialmente, um protótipo. Eles estão fazendo estudos iniciais de um protótipo”, disse Daniel Holmes, chefe de clínica química no St. Paul’s Hospital, em British Columbia.

LEIA MAIS: Conheça o exclusivo resort de luxo em ilha paradisíaca da Indonésia

O professor de medicina na Universidade de Washington Geoffrey Baird, crítico assumido da Theranos, também comentou sobre os testes. “Acho que essa apresentação foi uma isca para ingênuos”, afirmou. “Não estamos vendo nada tecnológico, mas sim uma ideia.”

O que é possível ver até o momento é um protótipo promissor. Os dados mostram um acordo entre o miniLab e aparelhos já existentes usados pela Siemens. A pergunta é: O quão convincente os experts de fora vão achar que esses resultados são? Será que a Theranos conseguirá a aprovação de seu produto? A empresa diz que espera o visto regulatório para desenvolver ainda mais a sua tecnologia.

Comentários
Topo