Negócios

Catarinense fatura R$ 3,5 mi com fabricação de pranchas de surfe

Tropical Brasil é a líder do setor no país (Herminio Nunes)

Tropical Brasil é a líder do setor no país (Herminio Nunes)

Em uma foto da Reader’s Digest, o paulista Avelino Bastos, 55 anos, fundador da Tropical Brasil, viu pela primeira vez uma prancha de surfe. Tinha então 9 anos e morava em Paranaguá, no litoral do Paraná.

Metido a inventor, desmontou uma velha tábua de passar roupas para improvisar sua própria versão do estranho “barco de madeira” da revista: criava então um esboço da primeira das milhares de pranchas que produziria na vida. Apenas alguns anos depois, morando em Santos (SP), viu uma prancha de verdade. E quando finalmente ganhou a sua, ficou desapontado: “Não era exatamente como eu imaginava”.

VEJA TAMBÉM: 6 pequenas empresas líderes no Brasil

A frustração o levou a se dedicar a fazer a sua própria peça, em fibra de vidro, nos fundos de casa. Antes mesmo de concluir, já havia um amigo surfista interessado em comprá-la. De amigo em amigo, a produção para consumo próprio virou fonte de renda e negócio.

A Tropical Brasil nasceu em 1981, em Florianópolis, onde Bastos foi morar para cursar faculdade. “A ideia era fazer um produto original, brasileiro”, conta. Na largada, uma aposta foi fornecer suas pranchas a jovens surfistas em campeonatos. “Virei um coach.” A estratégia foi premiada com uma maré de sorte: os atletas patrocinados venceram vários torneios e garantiram fama instantânea à marca. Nesta safra, estavam Teco Padaratz, que conquistou dois títulos mundiais, e David Husadel, ídolo catarinense do surfe.

Padaratz e Husadel, aliás, vieram a se tornar sócios da Tropical nos anos 1990, época em que a empresa começou a diversificar, estampando roupas, cosméticos, óculos e acessórios, por licenciamento. Chegou a ter mais de 400 itens.
Apesar de representarem grossa fatia do faturamento, os produtos diversificados quase fizeram a empresa morrer na praia. “Moda é um negócio complexo, de risco. Descobri isso perdendo muito dinheiro”, admite o empresário.

RANKING: 70 maiores bilionários do Brasil em 2016

Com a constatação, veio a decisão de retornar às origens. As operações de roupas e acessórios foram vendidas em 2012 ao Grupo Eixo. Foi quando alguns sócios se retiraram. “Resolvi abrir mão dos negócios em que era coadjuvante e de que eu não gostava, mesmo gerando faturamento, para me focar no que eu gostava e fazia bem, que era produzir pranchas.”

Hoje, Bastos novamente se dedica a ser o que era nos primórdios: o designer e o pensador da marca. Está focado em desenvolver novas formas de produzir em escala pranchas mais funcionais e mais baratas, mantendo o toque artesanal e customizado do artigo, mas com “muita tecnologia em cima”.

VEJA TAMBÉM: 11 dicas para crescer durante a crise, pelo fundador da Chilli Beans

Com cerca de 100 mil pranchas produzidas — algumas delas pelas próprias mãos —, o dono da Tropical Brasil e seu sócio, o amigo da juventude Nelson Mendes, 55, planejam a construção de uma nova fábrica. A unidade deve ser instalada no Estado de Santa Catarina, mas não em Florianópolis, onde a empresa nasceu, cresceu e apareceu. Bastos vai buscar outra praia — não necessariamente perto do mar.

Comentários
Topo