Negócios

Conheça o empresário que reconstruiu o World Trade Center após atentado de 11 de Setembro

Getty Images

Getty Images

Em julho de 2001, Larry Silverstein, um magnata do ramo imobiliário de Nova York, fechou um contrato de US$ 3,2 bilhões, junto com outros investidores, para administrar um dos maiores complexos de escritórios dos Estados Unidos: as Torres Gêmeas, no World Trade Center.

Seis semanas depois, no dia 11 de setembro, o ataque terrorista que destruiria os prédios, matando quase 3.000 pessoas, deu início ao mais longo processo de reconstrução das Propriedades Silverstein. O contrato assinado pelos investidores em julho concedia os direitos sobre aquela propriedade em Lower Manhattan pelos 99 anos seguintes.

VEJA MAIS: Quem são bilionários brasileiros por trás das marcas do seu dia a dia

“Foram 15 anos de dedicação para transformar este espaço em uma lembrança desse terrível episódio”, disse o investidor durante a inauguração de uma galeria de arte dentro do novo complexo do World Trade Center, na última quinta-feira (8). Ele e os outros participantes financeiros do complexo investiram US$ 10 milhões para transformar parte do espaço em um memorial que homenageia as vítimas do ataque.

Duas semanas após a tragédia, Silverstein e seus colegas se reuniram para discutir o novo design da área destruída. O primeiro prédio do novo complexo subiu em 2006 e, logo mais, figuras famosas da cidade começaram a debater sobre o que seria melhor colocar naquele espaço.

E AINDA: 70 maiores bilionários do Brasil em 2016

O prefeito desta época, Rudolph Guiliani, pediu que a empresa transformasse toda a área restante em um memorial de 590 m². O prefeito seguinte, o bilionário Michael Bloomberg, exigiu que o local se transformasse em um bairro residencial com apartamentos e uma escola pública.

Depois de alguns debates em torno do assunto, Silverstein acabou entregando o projeto nas mãos da família Durst, que inaugurou em 2014 um arranha-céu no local. Com essa construção e algumas outras espalhadas pela cidade, Douglas e Joddy Durst faturaram US$ 4,4 bilhões.

RANKING: 10 aeroportos mais movimentados do mundo

Até 2018, o investidor deve entregar mais uma torre do World Trade Center. Por enquanto, quem passear pelo local poderá visitar as unidades do Eataly, Kate Spade, Sephora e Under Armour nos outros prédios do complexo.

Comentários
Topo