Negócios

Por que deveríamos prestar mais atenção aos drones

iStock

iStock

Para certas pessoas, drones são como brinquedos. Para outras, são armas mortíferas. Para estrategistas do mercado de fornecimento de produtos, eles podem ser vistos como uma estratégia de negócios. O interesse prematuro e repentino do site de comércio eletrônico Amazon em entregas feitas com drones parecia uma brincadeira, mas o investimento substancial da empresa na tecnologia e infraestrutura e até em políticas para torná-lo uma realidade.

Notícias recentes, junto com dados preliminares da SCM World, (comunidade se empresas dedicadas ao fornecimento de produtos e serviços)apontam para uma necessidade urgente de, pelo menos, considerar incluir os drones em estratégias de negócios.

LEIA MAIS: Fotografias feitas por drones revelam o racismo na arquitetura sul-africana

Liberando potencial

No mês passado, a Federal Aviation Authority (FAA), entidade responsável pelo controle do tráfego aéreo nos Estados, estendeu suas isenções para a regra do “campo de visão”. Essa regra – que proíbe drones voando em qualquer lugar que não esteja no campo de visão do operador – significa que o uso dessa tecnologia para negócios é limitada.

Uma das primeiras exceções feitas foram para uma empresa chamada PrecisionHawk, que faz drones para inspeções aéreas em áreas agrícolas. O avanço não é muito sobre o drone em si, mas sim sobre o sistema de tráfego aéreo, chamado de “tráfego de baixa altitude” e segurança do espaço aéreo, ou LATAS.

LEIA MAIS: Afegão cria drone que mapeia, detecta e detona minas terrestres

A LATAS é de graça para qualquer usuário disposto a aceitar os termos de serviço da PrecisionHawk. É uma conquista grande que junta tecnologia e cooperação regulatória entre a Verizon, Harris, DigitalGlobe, NASA e a FAA.

Esse avança é importante porque todo o conceito das unidades serem autônomos em aplicações como o uso de drones da Land O’Lakes para a busca de pestes em plantações ou o uso deles para inspeções de tubulações de oleodutos no Alaska.

LEIA MAIS: Empresa apresenta drones inspirados em naves de “Star Wars”

Drones em portas de casas

Outras novidades interessantes vêm de uma desenvolvedora de sistemas logísticos de drones chamada Matternet, baseada no Vale do Silício. Junto com a Mercedes-Benz, ela co-desenvolveu um sistema de gerenciamento de pacotes que permite que drones operem a partir do teto de qualquer veículo, como jatos de um porta-aviões. Essa simbiose resolve vários problemas, incluindo a duração e o alcançe da bateria e segurança da unidade.

Assim como a PrecisionHawk, a Matternet tem vantagem em algumas regulações, incluindo da NASA e da Swiss Federal Office of Civil Aviation, responsável pelo desenvolvimento da aviação na Suíça, mas sua ênfase é claramente em relação aos consumidores com uma missão de automatizar entregas parecida com a da AmazonPrime Air.

LEIA MAIS: 11 invenções impressionantes lançadas recentemente

Drones no mapa digital

Seja em relação às aplicações dos drones como a inspeção no agricultura ou a demanda de respostas rápidas como a entrega de 30 minutos da AmazonPrime Air, está se tornando cada vez mais claro que os drones viraram parte do mundo digital. Além disso, os drones aquáticos e terrestres estão se desenvolvendo em uma velocidade impressionante, com aplicações capazes de resolver problemas como engarrafamentos, evitar lugares perigosos e inacessíveis e realizar tarefas pesadas, igual ao que a BASF está fazendo com veículos autônomos em sua mega-fábrica na Alemanha.

Comentários
Topo