Negócios

Bilionários devem transferir US$ 2,1 trilhões em heranças nos próximos 20 anos

Bilionários

Transferência de US$ 2,1 trilhões para herdeiros será a maior da história (iStock)

Aproximadamente 460 bilionários vão transferir uma herança de US$ 2,1 trilhões, o equivalente ao PIB da Índia, nos próximos 20 anos, de acordo com o relatório UBS/PwC Billionaires, lançado na última quinta-feira (13). O relatório chama atenção para “a maior transferência de fortuna da história” e pontua o fato de que essa será a primeira vez que uma quantia de dinheiro tão grande é entregue para uma segunda geração de uma vez.

A Ásia, em particular, vai explorar um território novo. De acordo com o relatório, essa será a primeira transferência bilionária nas economias asiáticas mais jovens, onde estima-se que 85% dos bilionários fizeram sua própria fortuna.

“Eles estão preparados? Essa é a questão. Na região da Ásia, eles aprenderam com as lições dos mercados mais maduros do mundo, e eles possuem os aspectos culturais necessários para mantê-los?”, questionou John Mathews, diretor de gestão de riqueza privada e patrimônio líquido da UBS Wealth Management Americas.

RANKING: 70 maiores bilionários do mundo em 2016

Ao todo, a USB, empresa global que presta serviços financeiros, e a PwC, prestadora de serviços de consultoria para empresas, estimam que 40% dos bilionários que eles rastreiam estão acima dos 70 anos e provavelmente passarão suas fortunas até 2040. Isso representa 48% dos bilionários dos Estados Unidos (que juntos representam US$ 1,1 trilhão), 50% dos bilionários europeus e (US$ 600 bilhões), e 20% da fortuna dos asiáticos (US$ 300 bilhões).

O que acontecerá com todo esse dinheiro é uma preocupação atual. “A fortuna pode ser muito fugaz. Planejamento é algo absolutamente essencial. E isso se torna cada vez mais difícil com o passar das gerações”, afirmou Mike Ryan, chefe de investimentos estratégicos da UBS dos Estados Unidos. Como diz o famoso ditado, “a primeira geração cria a riqueza, a segunda gasta e a terceira a destrói.” A transferência cria muitas chances dessas fortunas acabarem. Estes herdeiros estão, muitas vezes, mais interessados em filantropia ou em buscar suas próprias paixões do que preservar os negócios da família.

MAIS RANKING: 70 maiores bilionários do Brasil em 2016

As duas empresas analisaram o ranking anual da FORBES dos maiores bilionários do mundo e os dados internos da PwC para saber como a riqueza dos bilionários são criadas, crescem ou acabam, desde 1995. As descobertas mostraram que mais de dois terços (70%) não sobrevive após a primeira geração, e que os 50% restantes são destruídos no final da segunda geração. A UBS e a PwC usaram apenas os dados das 14 principais regiões ao redor do mundo, incluindo os Estados Unidos e países europeus como a Alemanha, o Reino Unido e a França, assim como países asiáticos como a China, o Japão, Cingapura e Índia. O estudo analisou a fortuna de 1.400 bilionários de 2015. FORBES estima que há em torno de 1.800 bilionários globais atualmente.

O relatório sugere que os bilionários sigam o exemplo dos europeus, salientando que, embora a Europa não seja líder na criação de riqueza, o continente tem feito o melhor trabalho na preservação da riqueza.

VEJA TAMBÉM: 16 bilionários brasileiros mais velhos em 2016

É claro que a UBS tem muito a ganhar com essa previsão. O banco suíço continua a enfatizar seus serviços de gestão de fortunas, especialmente nos Estados Unidos onde praticamente metade dos seus clientes estão – que juntos possuem US$ 2,1 trilhões – e onde FORBES estima que muitos dos bilionários que fizeram sua própria fortuna vivem. Coincidentemente, essa é a mesma quantia que será passada para os herdeiros em 2040. Para fazer isso, seu serviço de mercado é especializado em clientes milionários, e eles estabelecem uma complexa confiança e educação para os herdeiros ou cônjuges para preservar a fortuna. A USB afirma que possui uma conta bancária com um entre três bilionários ao redor do mundo.

O relatório diz que, pela primeira vez em uma década, o patrimônio líquido médio de bilionários norte-americanos que fizeram a sua própria fortuna é maior do que a riqueza média dos herdeiros. Aqueles que fizeram sua própria fortuna têm, em média, US$ 6,2 bilhões, em comparação, os herdeiros têm US$ 5,7 bilhões.

Comentários
Topo