Negócios

Tesla e Panasonic trabalham em parceria para produção de painéis solares

SolarCity

Parceria entre Tesla e Panasonic deve se intensificar após fusão da montadora com a SolarCity (Getty Images)

A Panasonic pode aumentar sua parceira com a Tesla na produção de energia, hoje concentrada na área de baterias. Se a empresa de Elon Musk fundir-se à SolarCity, em votação prevista para o mês que vem, a japonesa se juntará à norte-americana na produção de painéis solares.

VEJA TAMBÉM: Como a Toyota está apostando na sustentabilidade para mudar o mercado (e crescer)

Em uma postagem no seu blog oficial, a montadora de carros elétricos anunciou seus planos de trabalhar com a Panasonic para fazer células fotovoltaicas e módulos na cidade de Buffalo, no Estado de Nova York, onde a SolarCity está trabalhando para abrir a maior fábrica de painéis solares da América do Norte. Se a fusão foi aprovada no dia 17 de novembro, a japonesa começaria a fazer células e módulos na cidade no meio de 2017.

Os dispositivos seriam usados para energia solar em sistemas de carros para carregar os Tesla Powerwall e os Powerpack nas unidades de armazenamento de energia estacionárias, afirmou a companhia.

“Nós estamos animados para expandir a parceria com a Panasonic, enquanto movemos uma combinação da Tesla e da SolarCity”, afirmou JB Straubel, chefe técnico e cofundador da montadora via comunicado. “Ao trabalharmos juntos, nós seremos capazes de acelerar a produção de alta eficiência de placas solares e módulos extremamente confiáveis ao melhor preço.”

RANKING: Tesla bate recorde histórico de entrega de veículos no terceiro trimestre

A Panasonic vai essencialmente operar a fábrica de Buffalo em conjunto com a Tesla-SolarCity. A montadora, por sua vez, terá o compromisso de longo-termo para comprar as placas produzidas pela gigante indústria de eletrônicos. A postagem da Tesla não deixou claro se a Panasonic iria acabar comprando a instalação da Buffalo que ainda está em construção e também não informou detalhes financeiros sobre o acordo.

A tecnológica japonesa se tornou parceira-chave da Tesla ao suprir as células de lithium-ion para os modelos Model S e Model X Electric. Além disso, também expandiu a parte elétrica da fábrica que será construída perto de em Nevada, nos Estados Unidos. Esse projeto de US$ 5 bilhões é dado como a maior planta de bateria já feita, quando estiver completamente construída.

E MAIS: Apple pode comprar a startup de veículo elétrico Lit Motors

Estima-se que a fusão da Tesla com a SolarCity custará em torno de US$ 2,6 bilhões. Musk, presidente da SolarCity e maior investidor da companhia que é dirigida pelo seus primos Lyndon e Peter Rive, argumenta a fusão e cria sinergias significativas.

Comentários
Topo