Negócios

Vendas da Apple caem pela primeira vez em 15 anos

Apple

(iStock)

A Apple sofreu pela primeira vez desde 2001 uma queda nas vendas anuais. A companhia revelou nesta terça-feira (25) que as vendas caíram para US$ 216 bilhões após bater um recorde de US$ 234 bilhões em 2015. Esta queda está relacionada à baixa venda do iPhone, a maior renda da empresa.

A companhia vendeu 45,5 milhões de iPhones no último trimestre, uma queda em comparação ao ano passado, quando o número de aparelhos vendidos neste mesmo período foi de 48 milhões. Isto marca o terceiro semestre consecutivo em que as vendas de iPhone e os lucros da empresa caíram em relação ao ano anterior.

LEIA MAIS: Modelo de 32GB do iPhone 7 tem desempenho muito inferior aos demais

Analistas têm a preocupação de que o mercado global de smartphones esteja saturado. O consumidor está demorando mais tempo para trocar de celular, e o último modelo do iPhone, o sétimo, se assemelha muito as duas versões anteriores (6,6s) eliminando assim, a vontade do cliente de trocar de aparelho.

O CEO da empresa Tim Cook revelou em uma conferência com analistas que a demanda pelo iPhone 7 “está acabando com os estoques da maioria das lojas, principalmente do iPhone 7 Plus.’’

As vendas na China, uma área promissora em crescimento, caíram 30% ao ano devido à competição com fabricantes de smartphones locais como a Xiaomi e a Huawei. A companhia tem expectativa de melhoras para o próximo trimestre. “Estamos confiantes no aumento de vendas na China”, revelou Cook, observando o número de pessoas subindo para a classe média no país.

A boa notícia para a companhia é que esta queda parece ser apenas uma fase e não um padrão no número de vendas.

A Apple planeja um aumento nas vendas de US$ 76 para US$ 78 bilhões no próximo semestre, um aumento em relacionação ao ano passado, quando os números no mesmo período eram US$ 74,8 bilhões.

Fim de ano é o período dos melhores números para a Apple, e representam o primeiro semestre de vendas do novo iPhone. A companhia espera uma demanda maior pelo 7 do que seu modelo anterior.

VEJA TAMBÉM: China ultrapassa EUA na compra de apps na Apple

Katy Huberty, analista do banco Morgan Stanley, declarou em nota para investidores que a venda do iPhone 7 teria um impulso devido aos problemas com seu principal concorrente, o Galaxy Note 7, da Samsung.

Em conferência, o CFO da Apple Luca Maestri sugeriu que os novos desenvolvimentos dos concorrentes “não são particularmente relevantes”. A razão, segundo ele, é que a demanda por iPhones é tão grande que “estamos vendendo tudo o que produzimos.”

Os lucros foram divulgados dois dias antes de uma coletiva de imprensa da Apple na Califórnia, onde há expectativa de que a companhia revele informações sobre a nova linha de computadores iMac o que ajudaria nas vendas da empresa. As ações da Apple caíram 2,5% após a divulgação da queda das vendas.

Comentários
Topo