Negócios

Alemanha abre portas para Ásia e América do Sul após EUA se retirarem de acordo comercial

"Trump precisa simplesmente reconhecer que a economia dos EUA muitas vezes não é competitiva, enquanto a (economia) alemã é", disse Sigmar Gabriel (Getty Images)

“Trump precisa simplesmente reconhecer que a economia dos EUA muitas vezes não é competitiva, enquanto a (economia) alemã é”, disse Sigmar Gabriel (Getty Images)

A indústria alemã vai tirar proveito de todas as oportunidades de comércio na Ásia e na América do Sul deixadas pelos Estados Unidos, disse o vice-chanceler Sigmar Gabriel hoje (23), depois que o presidente norte-americano, Donald Trump, se retirou da Parceria Transpacífico (TPP).

Em uma entrevista ao jornal Handelsblatt a ser divulgada amanhã (24), ele disse: “Se Trump começar uma guerra comercial com a Ásia e a América do Sul, isso abrirá oportunidades para nós”.

“Trump precisa simplesmente reconhecer que a economia dos EUA muitas vezes não é competitiva, enquanto a (economia) alemã é”, afirmou ele, criticando a ameaça de Trump de impor uma tarifa de 35% sobre carros alemães importados do México. Isso, segundo ele, seria contraproducente para os Estados Unidos.

VEJA TAMBÉM: Trump assina decreto para formalizar saída dos EUA do acordo Transpacífico

Trump assinou um decreto que retira formalmente os EUA do TPP de 12 nações, cumprindo uma promessa de campanha. Ele chamou a mudança de “grande coisa para o trabalhador americano”.

Gabriel – ministro da Economia e líder dos social-democratas de centro-esquerda (SPD), que deverá enfrentar a chanceler Angela Merkel nas eleições de setembro – disse que a indústria alemã deve permanecer confiante diante das decisões de Trump.

Apenas 10% das exportações alemãs vão para os Estados Unidos, disse Gabriel, enquanto 60% vão para outros países da Europa.

LEIA MAIS: De onde vem a misteriosa riqueza de Donald Trump

“Você pode ver o peso de nossos interesses econômicos”, disse Gabriel. “A Alemanha deve agir com autoconfiança e não ser temerosa ou servil.”

“Somos uma nação exportadora altamente bem-sucedida, tecnologicamente avançada, com muitas pessoas trabalhadoras e empresas inteligentes.”

(Reportagem de Erik Kirschbaum)

Comentários
Topo