Negócios

Amazon perderá patente de clique único em 2017

Tecnologia de compras com um clique era exclusividade da empresa

Tecnologia de compras com um clique era exclusividade da empresa

A tecnologia “1-Click”, que permite que os clientes façam suas compras com apenas um clique, foi responsável pelo sucesso da Amazon ao longo dos anos.
Certamente, gerou lucro suficiente para que a empresa defendesse sua exclusividade nos tribunais, um processo caro. Mas a má notícia é que a patente termina em 2017. Então, provavelmente veremos outras lojas online usando a mesma fórmula da Amazon.

A Amazon pediu os direitos da patente da tecnologia 1-Click em 1997, e foi garantida em 1999. A proposta baseia-se em armazenar seus dados de pagamento e endereço de entrega da compra para clicar em um botão e concluir a compra.

A exceção para a regra da patente é a Apple, que utiliza sua própria versão do sistema da Amazon e paga para a companhia uma quantia não divulgada para usá-lo. A Apple Store utiliza a tecnologia 1 -Click.

É claro que esta patente é o que torna a Amazon o site de compras online preferido de muitos clientes. Mas a solução para o problema da Amazon ainda não foi dada. A União Europeia se recusa a garantir a patente. O Instituto Europeu de Patentes descreveu a tecnologia como “muito óbvia”. O argumento é que a Amazon basicamente adiciona cookies, e qualquer varejista online poderia fazer isto.

LEIA MAIS: Amazon lançará loja “sem fila e sem pagamentos”

O Canadá inicialmente resistiu em conceder a patente, mas a empresa conseguiu por meio de processos legais em 2011. Além da União Europeia e do Canadá, a Austrália também rejeitou a reivindicação.

Apesar da Amazon insistir em manter a patente, provavelmente a utilização da tecnologia por outras lojas já não seria tão impactante. A Amazon vende uma grande variedade de produtos e entrega com rapidez. Além disso, a marca já conquistou seu lugar no mercado e possui clientes fiéis. A companhia também tem planos futuros que podem garantir lucros maiores nos próximos anos.

Comentários
Topo