Negócios

Dólar cai e vai a R$ 3,10 com Ptax e fluxo

Dólar

Moeda norte-americana está com expectativa de captações fora do país (iStock)

O dólar operava em queda ante o real nesta terça-feira (31/01), já no nível de R$ 3,10, influenciado pelo ingresso de recursos, pela expectativa de mais fluxo e pela formação da taxa Ptax de final de mês.

O recuo da moeda norte-americana ante outras divisas no exterior também favorecia o comportamento do dólar internamente.

Às 10h32, o dólar recuava 0,75%, cotado a R$ 3,1041 na venda, depois de ter caído 1,66% nos dois pregões anteriores.

LEIA MAIS: Yuan entra para grupo exclusivo do FMI

Na mínima, a moeda chegou a R$ 3,1029 e, na máxima, a R$ 3,1295. O dólar futuro tinha queda de cerca de 0,60%.

“O dólar está vivendo um movimento exuberante, com expectativa de captações lá fora, atratividade do juro doméstico, melhora da economia após o corte da taxa Selic, bem como a previsão de que as reformas serão aprovadas”, resumiu o diretor de operações da Mirae Asset, Pablo Spyer.

Esses fatores superaram o anúncio do Banco Central de que vai rolar apenas parcialmente os contratos de fevereiro referente a leilão de linha – venda com compromisso de recompra -, o que poderia trazer pressão altista à moeda.

LEIA TAMBÉM: Como o governo Trump pode influenciar a economia brasileira

Isso porque a autoridade vai deixar de rolar US$ 800 milhões, uma vez que o leilão abrange apenas US$ 1 bilhão do total de US$ 1,8 bilhão que vencem em fevereiro.

Esses US$ 800 milhões que não serão rolados podem gerar uma pressão compradora de moeda. Entretanto, os investidores que detêm esses contratos não necessariamente precisam adquirir a moeda, podendo apenas deixar vencer o contrato, o que ajudaria na queda do dólar frente ao real.

E TAMBÉM: Lucro trimestral da Alphabet, dona do Google, fica abaixo das estimativas

No exterior, o dólar caía ante uma cesta de moedas e também outras divisas de países emergentes, como os pesos mexicano e chileno.

Os investidores seguem atentos às medidas do presidente norte-americano, Donald Trump, e seus efeitos no mercado.

Por Claudia Violante

Comentários
Topo