Negócios

Conheça o homem que levou a maconha para o mundo da moda

Francesco Ragazzi

Francesco Ragazzi criou uma marca que tem conexão automática com a maconha (Reprodução/FORBES)

“Eu me sinto como um estrangeiro na Itália, já que talvez eu tenha uma mentalidade mais americana. Mas eu também sou um estrangeiro na América, porque minha mentalidade é mais italiana do que a deles”, afirma o diretor da Moncler Art, Francesco Ragazzi, que fundou a Palm Angels no início de 2015. A marca – que é baseada em um livro sobre a cultura de skate de Los Angeles – combina a alfaiataria italiana com a descontração da Califórnia, e conseguiu um grande retorno nos dois últimos anos. O sucesso foi tão grande que a abertura de uma loja física exclusiva está a caminho, além do lançamento de um e-commerce em fevereiro.

A coleção outono/inverno 2017, apresentada em um desfile durante o mês da moda de Milão, propiciou a Ragazzi um sentimento de “estar em casa”. “Eu organizei os dois primeiros desfiles em Paris, em vez de Milão. Por um lado, porque eu gosto da ideia de ser um forasteiro. Por outro, porque fazia mais sentido do ponto de vista comercial. A Semana de Moda de Paris atrai um tipo específico de consumidor, que poderia facilmente se identificar com os meus produtos. Eu descobri que, como o humor que a minha marca transmite está em falta em Milão, eu seria um intruso lá também. Não pode ser apenas Prada e Fendi quando você vem para cá”, afirma Ragazzi. “Eu quero atingir os consumidores mais novos. Aqueles que estão agora com 20 anos vão se manter leais à minha marca quando tiverem 30. A herança do cliente de uma marca ocorre geralmente aos 40 ou 50 anos, quando ele já tem sua opinião formada.” No que diz respeito aos jovens que mantêm a marca de Milão viva, a maioria é dos Estados Unidos e da região da Ásia-Pacífico.

LEIA MAIS: Como a tecnologia tem mudado o mercado de maconha nos EUA

Antes de chegar à Europa com a Palm Angels, o aficionado por skate lançou, em 2014, um livro sobre a cultura do esporte em Los Angeles publicado pela editora Rizzoli. Todas as fotos foram tiradas pelo próprio Ragazzi. O prefácio foi escrito pelo cantor Pharrell Williams, que é considerado um integrante da família pelos fundador da Palm Angels.

“Com o livro, eu quis que as pessoas reinterpretassem o universo dos skatistas. Eu acho que, inicialmente, a imagem deles [skatistas] era um pouco grunge, um pouco barata. Eu tentei elevá-la ao usar minha fotografia e estética, transformando tudo isso em arte. Meu relacionamento com Pharrell começou profissionalmente, mas se transformou em amizade. Quando eu perguntei se ele queria escrever o livro, não era porque ele é o Pharrell, mas sim porque é skatista. Ele tem sido um dos meus principais suportes e, em junho do ano passado, quando ele veio para Milão, nós fizemos uma pequena festa juntos.”

LEIA TAMBÉM: Austrália legaliza cultivo de maconha medicinal

Além de Pharrell, a nova onda de artistas do hip hop, muitas vezes, é flagrada usando roupas da Palm Angels, fato que a marca de street wear de luxo compartilha frequentemente na sua conta do Instagram. “Produtos usados por celebridades são importantes em termos de imagem, mas também no que diz respeito à criatividade. Minhas peças são, muitas vezes, desenhadas a partir de uma celebridade específica. Nos dias de hoje, infelizmente, contar uma história é mais importante do que entregar um produto bem feito. As pessoas querem fazer parte de alguma coisa. Não apenas sobre o produto, mas sobre o mundo que ele representa. Há muitos designers bons por aí, mas muitos não contam uma história naquilo que produzem como resultado final. Isso não funciona atualmente.”

Sua inclinação para o estilo de vida norte-americano vem do fato de ele já ter morado em Nova York e Los Angeles, antes de retornar para sua casa na Itália. Atualmente, o fundador da Palm Angels vai aos Estados Unidos uma ou duas vezes por mês e passa suas férias na Flórida. “Para mim, o aroma de Los Angeles é o da maconha – eu sinto esse cheiro em todo lugar! [risos]. A maconha é uma parte importante da cultura do skate. Eu não transmiti isso no livro, então é importante transmitir nas coleções”, afirma o diretor criativo sobre a conexão automática da marca com a erva.

E TAMBÉM: Família dona de empresa de jardinagem ganha US$ 370 mi com iniciativas de legalização da maconha

O ano de 2017 já aparenta ser muito promissor para a marca, que recentemente lançou peças femininas na coleção outono/inverno 2017. O próximo passo é a abertura de sua primeira loja exclusiva, que será em Hong Kong. “No futuro eu gostaria de lançar um novo livro. Mas preciso achar tempo para me dedicar a isso. O outro me consumiu entre dois e três anos. Eu poderia fazer o próximo sobre a maconha.”

Comentários
Topo