Negócios

Fábio Coelho afirma que Brasil é um dos principais mercados para a Google

Divulgação

Fábio Coelho apresentando os novos produtos da Google em um evento em SP (Divulgação)

A Google apresentou seus novos produtos para o mercado brasileiro em um evento realizado nesta quarta-feira (22), no Auditório do Ibirapuera, em São Paulo. Mesmo diante de uma forte recessão econômica no país, Fábio Coelho, que acumula os cargos de vice-presidente e presidente no Brasil, disse que a empresa vai continuar com os planos de expansão. “O investimento é de médio e longo prazos, o que fizemos foi apenas um ajuste durante a crise atual”, disse, quando perguntado se os atuais casos de corrupção e o imbróglio político não teriam contribuído para que a empresa diminuísse sua atuação no país. Embora o Brasil já tenha 139 milhões de internautas, Coelho acredita que o potencial é muito maior e inclui outras 70 milhões de pessoas por meio de investimento em infraestrutura e na contribuição para a melhoria da educação.

Somente as ferramentas Google Adwords e Search contribuíram para que a economia movimentasse R$ 37 bilhões em 2015, com a manutenção de 430 mil empregos

Coelho também citou o investimento de R$ 500 milhões nos últimos três anos, que resultou na abertura do campus para empreendedores em São Paulo, no escritório de engenharia em Belo Horizonte e, ainda este ano, na abertura do YouTube Space Rio, voltado para a produção de audiovisual e de conteúdo. “O Brasil possui as instalações mais completas do ecossistema Google”, disse o executivo.

LEIA MAIS: Google e Fundação Lemann investem em nova plataforma educacional

Os investimentos também contribuíram para que o brasileiro se tornasse um dos principais consumidores da empresa em aplicativos e produto como YouTube, Waze, Chromecast e Tradutor. O país também concentra o maior número de desenvolvedores no Google Play. Em um estudo encomendado pela companhia à consultoria Deloitte, somente as ferramentas Google Adwords e Search contribuíram para que a economia movimentasse R$ 37 bilhões em 2015, com a manutenção de 430 mil empregos.

Em relação aos ajustes para enfrentar a crise, o executivo brasileiro mencionou a busca de eficiência como estratégia para enfrentá-la. Para isso, a gigante de tecnologia buscou parcerias com grandes empresas e apresentou soluções mais eficazes de comunicação com o consumidor. Em muitos casos, foi necessário, inclusive, redesenhar a interface dos sites para acomodar melhor os anúncios em dispositivos móveis. Entre as empresas que realizaram parcerias com o Google, Coelho citou corporações no ramo varejista, automotivo e aéreo.

Entre os produtos lançados nesta quinta-feira está o Google Meu Negócio, que estará disponível para os brasileiros até o fim do ano. Seu objetivo é facilitar a criação e a otimização gratuita de websites para smartphones no segmento de pequenas e médias empresas. “A meta da Google é simplificar processos e soluções, pois o pequeno empresário não tem tempo para aprender programação”, disse Coelho a FORBES. O presidente ainda enfatizou a parceria com o Sebrae para expandir as soluções apresentadas às grandes empresas, especialmente a modificação da interface do website para mobile, um dos um dos objetivos do Google Meu Negócio.

VEJA TAMBÉM: Waze passará a funcionar também como app de compartilhamento de caronas

Outro destaque foi o Google Allo, um aplicativo de mensagem instantânea que incorporar diversos recursos. A utilização dessas novas possibilidades com o auxílio da inteligência artificial é a aposta de Coelho para que o aplicativo caia no gosto dos brasileiros. “A resposta e a exploração são fantásticas”, disse, apontando a possibilidade de o usuário utilizar e compartilhar o resultado de uma pesquisa dentro de uma conversa e a customização de respostas. Sobre a concorrência com o Whatsapp, do Facebook, Coelho avalia que eles podem ser complementares, e a “sociedade vai decidir o lugar do Allo”.

Fake News

Coelho não se esquivou de explicar a ausência de produtos relacionados à verificação de autenticidade das notícias, tema que ganhou relevância após a influência das fake news no resultado das eleições americanas e do Brexit no ano passado. “Não temos a pretensão de ser a polícia da Internet”, disse, ressaltando que não depende da gigante tecnológica julgar o que é verdade ou mentira nas redes. Entretanto, disse que a Google promove e participa do debate sobre o tema, convocando empresas de fact checking para elaborar algo semelhante a uma curadoria de notícias. Entre os parceiros nacionais, Coelho mencionou as Organizações Globo e a Folha de S. Paulo.

Relação com o poder público

O executivo é um dos participantes do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, conhecido como Conselhão, um grupo de trabalho com representantes de vários segmentos da sociedade que assessora a Presidência da República na elaboração de políticas públicas que possam contribuir para o crescimento econômico e o desenvolvimento social. Embora as reuniões do grupo sejam comandadas pelo atual presidente Michel Temer, Coelho disse que tinha boas relações com a antecessora, Dilma Rousseff, assim como com todos os governos e governantes do país. “São valores da Google o diálogo com todos os setores, desde que beneficie a sociedade”, disse.

Comentários
Topo