Negócios

Lemann e Buffett defendem o livre-comércio em Harvard

Reprodução Facebook do evento

Sócios, que dificilmente aparecem juntos em público, encerraram a Brazil Conference, que reuniu personalidades da política, economia e artistas (Reprodução Facebook do evento)

O Brasil foi o centro das atenções na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, na última sexta-feira (7) e sábado (8), quando ocorreu a Brazil Conference, evento realizado anualmente e organizado por estudantes brasileiros da instituição e do MIT (Massachusets Institute of Technology). Por ter criado o evento e apoiá-lo por meio da fundação que leva o seu sobrenome, cabe ao bilionário Jorge Paulo Lemann, da Ambev, encerrar cada edição, sempre com um convidado especial.

LEIA MAIS: Unilever pode ter vencido a batalha, mas a guerra com a Kraft Heinz, de Lemann e Buffett, está longe de acabar

Neste ano, o escolhido foi outro bilionário da lista FORBES, o megainvestidor Warren Buffett, sócio de Lemann na Kraft Foods. Em uma rara aparição pública juntos, os executivos conversaram sobre suas trajetórias, mas chamou a atenção à defesa que fizeram ao livre-comércio, um contraponto ao discurso protecionista do presidente dos EUA, Donald Trump.

Participaram do Brazil Conference o juiz Sérgio Moro, a ex-presidente Dilma Rousseff e o apresentador Luciano Huck

“Se os EUA ficarem isolados, poderão sofrer com as políticas nacionais de outros países”, enfatizou Buffett, ao analisar que o crescimento econômico de outras nações é, atualmente, maior que o registrado nos EUA. Além disso, ele apontou que a ausência de barreiras comerciais entre os países beneficia a sociedade norte-americana. Buffett ainda defendeu que o governante não deve desenvolver políticas que prejudiquem as pessoas e recomendou que o ocupante da Casa Branca seja didático ao explicar os efeitos delas.

VEJA TAMBÉM: 18 fatos curiosos sobre o bilionário Jorge Paulo Lemann

“Sou totalmente favorável ao livre-comércio e à globalização”, disse Lemann, ao avaliar que, historicamente, os países que se engajaram no comércio se beneficiaram. O bilionário da Ambev não vê lógica na instauração de medidas que diminua o intercâmbio comercial entre as nações, especialmente hoje, com o atual desenvolvimento da tecnologia e da internet, que leva à redução das distâncias geográficas. Mesmo assim, Lemann relembrou que os EUA são um lugar propício para novos negócios, onde há “cumprimento das leis, estímulos às inovações e respeito ao livre-mercado”.

O que é a Brazil Conference

O evento foi idealizado por Lemann e é realizado anualmente em Harvard. É organizado por alunos brasileiros em Harvard e no MIT e tem o apoio da Fundação Lemann. Participam personalidades da política, da economia, do Judiciário e da classe artística e esportiva brasileiras. Cada convidado expõe seu ponto de vista a respeito do desenvolvimento de sua atividade de atuação no Brasil e os rumos do país, por meio de debate e palestras. Neste ano, os destaques foram o juiz Sérgio Moro, a ex-presidente Dilma Rousseff, o apresentador da Rede Globo Luciano Huck e a ex-ministra Marina Silva.



Comentários
Topo