São Paulo tem R$ 8,6 bilhões em imóveis ligados a offshores

iStock
Pesquisa da Transparência Internacional identificou 3.452 propriedades que podem estar vinculadas à lavagem de dinheiro (iStock)

A Transparência Internacional, organização dedicada à luta contra a corrupção, divulgou um estudo sobre os imóveis em São Paulo que registram empresas offshore como seus proprietários. A partir do cruzamento de dados da prefeitura da cidade e da Junta Comercial, a pesquisa intitulada “São Paulo: a Corrupção Mora ao Lado?” identificou 3.452 imóveis vinculados a 236 empresas registradas em paraísos fiscais ou em jurisdições pouco transparentes, sendo que 87% delas pertencem a locais como Ilhas Virgens Britânicas, Uruguai, Estados Unidos, Panamá e Suíça.

LEIA MAIS: Conheça os bilionários envolvidos com offshores do Panamá

O valor das propriedades corresponde a R$ 8,6 bilhões. A maioria dos imóveis de offshore está localizada no corredor das Avenidas Chucri Zaidan e Luis Carlos Berrini, com 820 imóveis que valem juntos R$ 1,1 bilhão. Foram identificados, também, 131 propriedades na Avenida Paulista, que equivalem a R$ 120 milhões. Já na Avenida Faria Lima foram descobertos 67 imóveis, cujos valores somam R$ 131 milhões. A Transparência Internacional se baseou em registros oficiais para o estudo, que provavelmente indicam valores abaixo dos praticados no mercado.

Possível ligação com atividades criminosas

Uma empresa offshore é criada por indivíduos ou empresas fora do seu país de domicílio, geralmente para diminuir o pagamento de impostos e manter sob sigilo a identidade dos proprietários. Essas empresas geralmente são abertas em países que oferecem impostos baixos ou até isenções fiscais, denominados de “paraísos fiscais”.

87% das offshores pertencem a locais como Ilhas Virgens Britânicas, Uruguai, Estados Unidos, Panamá e Suíça

A Transparência Internacional afirma que uma offshore não é ilegal e pode se inserir na atividade econômica brasileira. No entanto, é impossível identificar seus proprietários e, de acordo com um estudo do Banco Mundial, em 70% dos 200 grandes casos de corrupção analisados, foram utilizadas empresas secretas para omitir a origem e o proprietário do dinheiro proveniente das atividades ilícitas. A compra de imóveis por meio de uma offshore, portanto, pode ser uma forma de lavagem de dinheiro, mas não necessariamente caracteriza um ato ilegal.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).