Negócios

Conheça a empresa que foi do zero aos US$ 25 milhões em 12 meses

(Reprodução/Facebook)

Empreendedora Michele Romanow (Reprodução/Facebook)

É comum, entre amigos que jogam golfe, dar uns aos outros um “mulligan”, uma segunda chance de fazer uma jogada quando a primeira falha. Pensando nisso, é interessante imaginar que todos nós deveríamos ter um negócio “mulligan” também – um negócio precoce mal-sucedido, preferencialmente fora da faculdade, que nos dê a oportunidade de aprender os truques do mundo dos negócios.

LEIA TAMBÉM: Veja como foi o primeiro trimestre das empresas de tecnologia nos EUA

Algumas pessoas acreditam que é necessário trabalhar em uma companhia para aprender sobre os negócios com as dificuldades dos outros, antes de passar por essa situação por conta própria. No entanto, esse pode ser o pior conselho para um jovem empreendedor.

O pior conselho que se pode dar a um empreendedor é que ele trabalhe em outras empresas antes de começar seu próprio negócio

O melhor meio de ter um negócio é começar cedo – e não parar. É muito provável que a primeira tentativa não gere muito ou nenhum lucro, mas ela trará conhecimento antes de ter um parceiro, uma casa ou um filho que impeçam correr riscos maiores.

De acordo com o The Value Builder System, metodologia para reforçar o valor da companhia, há muitos fundadores de empresas em busca de uma saída. Alguns dos empreendedores têm sorte logo no começo, mas muitos experimentam um início difícil. Na verdade, a grande maioria falhou ou teve pouquíssimo sucesso antes de constatar sua primeira vitória verdadeira.

VEJA MAIS: Quanto as 30 maiores empresas dos EUA pagam em impostos

A criação da Evandale Caviar

Michele Romanow, por exemplo, fez uma parceria com dois amigos das aulas de engenharia, Anatoliy Melnichuk e Ryan Marien, e, juntos, eles fundaram a Evandale Caviar quando tinham mais ou menos 20 anos. A ideia do trio era vender caviar para restaurantes de alto nível ao redor do mundo.

O negócio começou de forma um pouco desorganizada. Ao se formarem em uma universidade do Canadá, os três amigos pegaram o carro de Marien e dirigiram até a minúscula cidade de Evandale, em New Brunswick, onde tinha um dos poucos suprimentos naturais do esturjão-atlântico, um peixe cujas ovas são muito famosas na gastronomia.

E MAIS: Startup de beleza Birchbox volta a lucrar depois de um ano difícil

Eles então construíram uma empresa de pesca. Mas, assim que o negócio começou, em 2008, o mercado dos restaurantes de luxo começou a ficar instável. Logo depois, no mesmo ano, esses estabelecimentos estavam vivendo uma situação de muita fragilidade, e, no final de 2008, a indústria estava em completa crise.

A falência

Logo após fechar sua primeira empresa, o trio juntou-se novamente para começar um novo negócio: um comércio eletrônico de promoções chamado Buytopia. Os jovens empreendedores aprenderam muito com a Evandale e estavam indo bem em seu segundo negócio. Até que uma terceira ideia começou a surgir.

VEJA TAMBÉM: 18 empresas de tecnologia com maior participação feminina

De 0 a US$ 25 milhões em 12 meses

Michele percebeu que as grandes companhias estavam gastando milhões de dólares em cupons de descontos impressos e imaginou que deveria haver um meio mais eficiente de distribuí-los. Eles então sonharam com um aplicativo para dispositivos móveis que notificaria os consumidores sobre determinadas ofertas enquanto eles estivessem em um supermercado, por exemplo, e, em seguida, permitiria que eles fotografassem o recibo da compra para que pudessem receber o dinheiro de volta dos itens em promoção. O modelo de negócios da SnapSaves cobraria das empresas que anunciassem suas ofertas pelo aplicativo.

A jovem empreendedora e seus parceiros investiram mais de US$ 100.000 por mês (o dinheiro veio da Buytopia) e, em seis meses, tinham um produto pronto para ser lançado. A empresa foi inaugurada oficialmente em agosto de 2013 e foi um sucesso imediato entre consumidores e anunciantes. Após um ano, os fundadores já tinham ofertas de aportes de capital de risco e a empresa era avaliada em US$ 25 milhões.

LEIA MAIS: Como startups e empreendedores podem ser mais bem-sucedidos

Foi aí que o Groupon fez contato e manifestou interesse em comprar a SnapSaves. Durante as negociações, os sócios pediram o dobro da oferta inicial e, menos de um ano após o lançamento da empresa, aceitaram ser adquiridos pelo Groupon.

Uma pessoa não muito observadora, ouviria a história da SnapSaves e diria que foi sorte: um grupo de amigos deixa a faculdade, começa um negócios e se torna muito bem-sucedido do dia para a noite. Essa história é conveniente, mas não é verdadeira.

Em uma entrevista, Michele contou que a SnapSaves jamais teria acontecido sem as lições aprendidas na Evandele. E é aí que está o segredo para muitos empreendedores de sucesso: eles tiveram seu primeiro negócio malsucedido até conseguir tempo, lugar e o capital necessários para conquistar o verdadeiro sucesso.

Comentários
Topo