Negócios

JBS é alvo de operação da PF por suspeita de uso indevido de informações privilegiadas

Divulgação

Segundo a Polícia Federal, a ação coordenada com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) cumpre três mandados de busca e apreensão nas empresas do grupo JBS (Divulgação)

A Polícia Federal realiza nesta sexta-feira (09/06) operação envolvendo a JBS e a FB Participações para apurar se houve uso indevido de informações privilegiadas por parte das empresas em transações de mercado financeiro ocorridas entre abril e maio de 2017, de acordo com comunicado da PF.

LEIA MAIS: Depois de delação, parte da família Batista sai da estrutura societária da JBS

Segundo a Polícia Federal, a ação coordenada com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) cumpre três mandados de busca e apreensão nas empresas do grupo JBS e quatro mandados de condução coercitiva.

Procurada, a JBS não comentou imediatamente.

Às 11h50, as ações da companhia recuavam quase 5% na Bovespa, liderando as perdas do Ibovespa, que perdia 0,5%.

A investigação, segundo a PF, apura a venda de ações de emissão da JBS na bolsa de valores pela FB Participações no final do mês de abril, em período concomitante ao programa de recompra de ações da empresa, reiniciado em fevereiro de 2017.

VEJA TAMBÉM: Fortuna da família Batista cai R$ 4,3 bilhões com recuo da JBS

A FB Participações é uma empresa de investimentos que é a acionista majoritária da JBS.

Também é investigada a compra de contratos futuros de dólar na bolsa de futuros e a termo de dólar no mercado de balcão, entre o final de abril e meados de maio de 2017, segundo a PF.

“Há indícios de que essas operações ocorreram com o uso de informações privilegiadas, gerando vantagens indevidas no mercado de capitais num contexto em quase todos os investidores tiveram prejuízos financeiros”, afirmou a polícia.

Segundo a PF, o inquérito policial foi instaurado em 19 de abril, após a CVM abrir processos administrativos para apuração desses fatos. A nota diz que os investigados poderão ser responsabilizados com penas de um a cinco anos de reclusão e multa de até três vezes o valor da vantagem ilícita obtida.

E MAIS: JBS vende operações de carne na Argentina, Paraguai e Uruguai para Minerva por US$ 300 mi

Procuradores do Ministério Público Federal e representantes da J&F, que controla a JBS, fecharam no final de maio acordo de leniência que prevê o pagamento de multa de R$ 10,3 bilhões por atos praticados por empresas controladas pela holding. O acordo foi assinado no último dia 5.

(Por Paula Arend Laier e Ana Mano)

Comentários
Topo