Negócios

Redes sociais aumentam retirada de discurso de ódio online, diz EU

iStock

Empresas de mídia social intensificaram a velocidade e o número de remoções de discursos de ódio em suas plataformas em resposta à pressão da União Europeia (iStock)

As empresas de mídia social como Facebook, Twitter e YouTube, do Google, intensificaram a velocidade e o número de remoções de discursos de ódio em suas plataformas em resposta à pressão da União Europeia para fazer mais no sentido de enfrentar a questão, segundo os resultados de uma avaliação da UE.

LEIA MAIS: Como o Facebook nos tornou ratos de laboratório digitais

O Facebook ganhou elogios particulares por revisar a maioria das queixas no prazo de 24 horas estabelecido em um código de conduta acordado em dezembro pela Comissão Europeia, Facebook, Microsoft, Twitter e YouTube.

Chamando os resultados de “encorajadores” pelo empenho da Comissão na autorregulação, a Comissária de Justiça, Vera Jourova, disse que a proporção de itens de ofensas retirados dobrou e as ações foram tomadas mais rapidamente do que o verificado na UE há seis meses.

O Facebook ganhou elogios particulares por revisar a maioria das queixas no prazo de 24 horas

“Isso mostra que uma abordagem autorregulatória pode funcionar, se todos os atores fizerem sua parte. Ao mesmo tempo, as empresas precisam avançar para cumprir todos os compromissos”, afirmou Jourova em comunicado.

O código de conduta voluntário obriga as empresas a tomarem medidas na Europa dentro de 24 horas, na sequência de preocupações crescentes sobre a proliferação de conteúdos racistas e xenófobos nas mídias sociais desencadeadas pela crise dos refugiados e ataques na Europa Ocidental.

VEJA TAMBÉM: Google luta contra as fake news que aparecem em seus resultados de busca

Isso incluiu a remoção ou desabilitação do acesso ao conteúdo, se necessário, uma melhor cooperação com as organizações da sociedade civil e a promoção de “contra-narrativas” para discursos de ódio.

(Alastair Macdonald e Julia Fioretti)

Comentários
Topo