Negócios

Como duas profissionais de sucesso largaram tudo para criar uma marca masculina de cosmético

Reprodução/FORBES

A dupla levantou US$ 1,3 milhão na primeira rodada de investimentos e aumentou as vendas anuais em 440%. (Reprodução/FORBES)

Você teve uma ótima ideia para um grande projeto no trabalho ou para um novo negócio… Mas o plano não está perfeito, o timing não é o ideal e você não tem o dinheiro para investir. Esta situação soa familiar? Não deixe a necessidade de perfeição o paralisar – nunca haverá um momento ou uma ideia perfeitos. Comece agora e aperfeiçoe depois.

VEJA TAMBÉM: Por que empreender em várias áreas pode trazer felicidade

As fundadoras da linha masculina de produtos para pele Oars + Alps não esperaram pelo “momento perfeito”. Elas acreditaram em si mesmas e em sua ideia e não hesitaram. Mia Saini Duchnowski e Laura Lisowski Cox deixaram a estabilidade de seus altos cargos na Bloomberg Television e no Facebook, respectivamente, para lançar a empresa em 2016 como uma solução para encontrar produtos de pele naturais masculinos para seus maridos e, consequentemente, milhões de outros homens.

A dupla, então, levantou US$ 1,3 milhão na primeira rodada de investimentos, aumentou as vendas anuais em 440% e tem, atualmente, dobrado as vendas a cada mês na comparação com o mês anterior. A base de consumidores da Oars + Alps cresceu 270% desde o lançamento – e Mia e Laura estão apenas começando.

FORBES: O que as inspirou a abrir a Oars + Alps? Quais eram as suas trajetórias de carreira?

Mia: Eu era âncora e correspondente de finanças na televisão, mais recentemente na Bloomberg. Graças ao meu trabalho, eu tinha acesso a alguns dos melhores cosméticos para a pele e, rapidamente, percebi que o meu marido, Sasha, que também gosta de se cuidar, estava usando todos os meus produtos. Isso causou algumas brigas! Os produtos femininos são mais caros do que os masculinos e, como uma cientista formada pelo MIT, eu sabia que a pele masculina é mais grossa do que a feminina, então ele não estava usando produtos adequados. Quando comecei a comprar cosméticos masculinos para ele. descobri que os homens não os compram porque odeiam ter de ir a lojas com ambiente de varejo tradicional.
Minha grande amiga, Laura Lisowski Cox, identificava-se com os meus problemas. Seu marido, Stoney, sofre de pele seca. Nós procuramos em todos os lugares por opções de produtos de pele masculinos, mas tudo era caro demais, clínico demais, adaptado para mulheres ou apenas inconveniente para comprar. Então eu larguei meu emprego na Bloomberg e Laura largou seu emprego no Facebook para lançarmos juntas a Oars + Alps.

FORBES: Mia, você já trabalhou na NASA, na Goldman Sachs, na FORBES e na Bloomberg. Quais eram suas responsabilidades nestas organizações e como as habilidades adquiridas a ajudaram a ser bem-sucedida em seu projeto atual?

Mia: Eu achava que iria ser uma astronauta – foi por isso que eu fui para o MIT. Rapidamente fiquei mais fascinada por ciência da computação e, mais especificamente, neurociência computacional (que foi o que eu acabei estudando, além de engenharia civil). Meu trabalho na NASA era responder à pergunta: “Tem água em marte?”.
Para isso, eu criei um sistema de reconhecimento de objetos que podia detectar a diferença entre pedras em Marte e na Terra. A NASA me ajudou muito a aperfeiçoar as minhas habilidades acadêmicas na vida real, mas a experiência, no geral, não era para mim. Eu sentia falta de interação humana.
Um pouco depois, eu fui recrutada pela Goldman Sachs e realmente me apaixonei por esse mundo. Eu amava o dinamismo das bolsas, a energia dos corretores e a mudança constante de ritmo. De lá, eu fui para a Harvard Business School e, então, para FORBES e Bloomberg, onde eu cobri notícias de negócios globais e entrevistei CEOs, políticos e economistas. O meu período na televisão me permitiu reagir rapidamente e reunir informações para sintetizá-las e explicá-las de maneira compreensível para nossos espectadores.
Este conjunto de habilidades se provou muito valioso para mim como empreendedora. Eu recebo e passo informações constantemente. Também me sinto confortável em tomar decisões rapidamente. Além disso, faço perguntas o tempo todo. Como resultado, vir de fora do mundo da beleza e do comércio eletrônico acabou não sendo um obstáculo – pelo contrário, me permitiu fazer perguntas que pessoas do setor não fariam.
O meu período na Goldman Sachs me fez aprender quão importante é cultivar relacionamentos e depender de uma rede de pessoas e recursos para atingir um objetivo. Já o tempo que passei no MIT e na NASA me ajudou a refinar minhas habilidades de resolução de problemas e oferecer sempre uma resposta. Eu também me tornei uma grande fã de testar hipóteses.

LEIA: A empreendedora que transformou a frustração em um negócio com 350 funcionários

FORBES: Laura, você trabalhou na Digitas, Ogilvy, AOL e Facebook. Quais eram seus cargos e responsabilidades nestas empresas e como estas habilidades a ajudaram a ser bem-sucedida em seu cargo atual?

Laura: Eu sempre fui obcecada por dados: eu amo analisá-los, decifrar números e encontrar tendências. Quando me formei e fiz um mestrado em finanças internacionais, a maioria dos meus colegas foi para a área bancária, mas eu acabei em um campo de trabalho chamado análises digitais na Digitas. Depois de passar anos mergulhada em dados, eu queria mais execução, então entrei no time de entrega da AOL, onde usava as informações para tomar decisões de negócio mais inteligentes para a empresa.
Depois disso, eu percebi que queria mais visibilidade de marca, então fui para a Ogilvy, onde orientava clientes como Louis Vuitton e IBM sobre como usar dados do consumidor para atrair novos clientes e repetir compras.
O meu amor pelo trabalho com grandes empresas me levou para o Facebook, onde eu ajudava a Apple e a GoPro a otimizarem seus orçamentos em canais de mídia. A maior habilidade que eu aprendi por meio destas experiências foi como cultivar relacionamentos. Na Oars + Alps eu sou capaz de conectar os dados com o aspecto psicológico para entender quem está comprando, por que e como.

FORBES: Qual tem sido o maior desafio e a maior recompensa de ter começado a Oars + Alps?

Mia: O maior desafio é ter que tomar muitas decisões, todos os dias, confiando em sua intuição. A maior recompensa é ver a marca tomar vida! Escutar homens nos dizendo como, após anos cuidando de seu físico com academia e dieta por meio da alimentação saudável, eles agora se importam com a pele e usam nossos produtos.

FORBES: Que conselho você daria a outras mulheres que pretendem começar seus próprios negócios?

Laura: Viva um dia de cada vez.

Mia: Eu espero que você acredite em você 100%. É muito difícil, mas você precisa fazer isso. O mundo é difícil. O mundo é injusto. Mas você precisa acreditar em você mesma. Não se preocupe se não tiver o conjunto de habilidades necessárias – você vai aprendê-las. Não se preocupe se você não tiver a melhor ideia – você vai aperfeiçoá-la. Não se preocupe se você não tiver os meios financeiros – comece devagar. Não se sente sobre a sua grande ideia. Construa-a.

E MAIS: 5 dicas de negócios da professora que criou um lucrativo blog de casamentos

FORBES: Como é um dia de trabalho de Laura e Mia?

Laura: Nossos dias são sempre um constante malabarismo. Parece que toda hora nós estamos trocando de marcha, seja quando estamos lidando com problemas no departamento de entregas, discutindo embalagens para os novos produtos do portfólio 2018 ou fazendo reuniões com nosso time de marca para discutir parcerias estratégicas para o próximo mês.

FORBES: Quais são suas responsabilidades como co-fundadoras e CMO e CEO, respectivamente?

Mia: Minha responsabilidade primária é desenvolvimento de produto, produzir desenvolvimento, da ideia inicial à concepção final. Isso inclui supervisionar a fabricação, a embalagem e administrar a cadeia de fornecedores. Como CEO, eu também lido com a maioria dos nossos relacionamentos com investidores.

Laura: Minhas responsabilidades principais são crescimento e retenção de consumidores, o que inclui desenvolvimento e otimização do website, identificação de novos canais com bom custo por aquisição e a manutenção e a ampliação de uma rede eficiente de canais que levem ao aumento de receita. Eu devo garantir que todos os pontos da experiência de um consumidor sejam consistentes.

FORBES: Parabéns por terem levantado US$ 1,3 milhão! Normalmente, empreendedoras mulheres apresentam marcas de beleza focadas em mulheres para investidores homens, mas vocês fizeram o contrário. Como foi o processo de levantamento de fundos e quais são seus conselhos para outros empreendedores?

Mia: Nós tivemos muitos investidores (todos homens) confusos sobre o porquê de duas mulheres estarem começando uma marca masculina. Isso foi desafiador, já que muitas marcas femininas (incluindo as da área de beleza) foram, na verdade, criadas por homens. As mulheres são fortemente influentes nas escolhas de beleza dos homens. Então nós fomos pegas de surpresa quando nos perguntaram isso pela primeira vez.
Nós também fomos muito questionadas sobre a nossa idade, quantos filhos tínhamos e se nossos maridos poderiam nos apoiar. Perguntas que a maioria dos empreendedores homens nunca precisou responder.

LEIA TAMBÉM: “O maior incentivo é a necessidade de dinheiro”, diz Chieko Aoki sobre empreendedorismo feminino

FORBES: Quais são as características mais importantes que alguém tem de ter para ser bem-sucedido em seu papel?

Mia: Eu realmente acho que, para ser bem-sucedido como empreendedor, é preciso ter uma atitude de “dá para fazer” e “vou descobrir como”, ser forte e ter a habilidade de permanecer otimista.

FORBES: Quais são as características que vocês procuram quando contratam um novo funcionário?

Laura: Procuramos candidatos que sejam “lutadores” e com quem nós duas nos sintamos confortáveis e animadas, o desconhecido!

FORBES: Quais são as habilidades mais importantes para exercer seus trabalhos e como vocês as desenvolveram?

Mia: Fazer perguntas, acompanhar e sempre oferecer ajuda. As duas primeiras habilidades eu desenvolvi como jornalista investigativa e cientista. A última eu aprendi trabalhando na Goldman Sachs com clientes de fundos hedge.

Laura: Se você tiver um bom dia, aproveite, mas use-o para ganhar energia para seu próximo dia ruim. Esteja sempre vendendo, confie em sua intuição e sinta-se confortável em tomar decisões rapidamente e não se preocupar com elas depois.

FORBES: Qual foi a maior lição que vocês aprenderam no trabalho e como a aprenderam?

Laura: Tudo passa por pessoas e relacionamentos. Aborde cada nova pessoa como alguém com quem você pode aprender e ensinar algo novo também!

FORBES: O que vocês gostariam que alguém tivesse falado quando vocês começaram suas carreiras?

Mia: Não há um único caminho. Mantenha seus olhos abertos para as oportunidades e salte alto!

FORBES: Qual é o melhor conselho que vocês já receberam?

Laura: Entenda o que motiva as pessoas antes de pedir-lhes qualquer coisa.

FORBES: Quais são seus conselhos de negócios para outras jovens mulheres?

Mia: Não confunda a confiança de outras pessoas com competência. Algumas das pessoas mais competentes são também as mais humildes.

Comentários
Topo