Negócios

Ericsson permanece no vermelho

iStock

O prejuízo operacional no segundo trimestre foi de US$ 145,3 milhões (iStock)

A sueca Ericsson divulgou nesta terça-feira (18) prejuízo pior do que o esperado no segundo trimestre e diminuiu sua estimativa para o mercado de infraestrutura de telefonia móvel, culpando o persistente baixo investimento das empresas de telecomunicações.

LEIA MAIS: Celular que não precisa de bateria é testado com sucesso

As ações da Ericsson caíam mais de 14%, para 52,30 coroas às 10h58 (horário de Brasília), com os números alimentando preocupações de que os planos do presidente-executivo, Borje Ekholm, que assumiu em janeiro, não serão suficientes para restaurar a lucratividade da empresa.

A Ericsson enfrenta uma concorrência crescente da chinesa Huawei e da filandesa Nokia, assim como a fraqueza dos mercados emergentes e queda nos investimentos das operadores de telecomunicações, com a demanda por tecnologia de próxima geração 5G ainda a alguns anos de distância.

A Ericsson respondeu cortando empregos e custos, mas estes esforços ainda não conseguiram evitar a deterioração.

VEJA TAMBÉM: Bill Gates alerta os pais: celulares só depois dos 14 anos

O prejuízo operacional no segundo trimestre foi de 1,2 bilhão de coroas suecas (US$ 145,3 milhões), ante lucro de 2,8 bilhões de coroas um ano antes e previsão média de prejuízo de 244 milhões de coroas em uma pesquisa Reuters com analistas.

“Estamos em uma fase de remodelação, mas isso vai levar um tempo”, disse Ekholm, reiterando que a empresa está no caminho de dobrar suas margens de 2016 após 2018.

Comentários
Topo