Telefônica Brasil tem alta de 25% no lucro líquido do 2º tri

iStock
A Telefônica Brasil teve lucro líquido de R$ 873 milhões no segundo trimestre (iStock)

A Telefônica Brasil teve lucro líquido de R$ 873 milhões no segundo trimestre deste ano, alta de cerca de 25% na comparação anual, beneficiada pela melhora do resultado financeiro e da geração de caixa, bem como pela redução de custos operacionais e outras despesas.

LEIA MAIS: Subsidiária da Telefônica Brasil compra Terra Networks por R$ 250 mi

Em termos recorrentes, o lucro líquido da operadora que atua sob a marca Vivo subiu cerca de 14% no segundo trimestre sobre um ano antes.

As ações da Telefônica Brasil acumulam alta de quase 26% em 2017. Às 10:19, os papéis exibiam desvalorização de 0,13%, enquanto o Ibovespa tinha oscilação negativa de 0,02%.

A empresa ainda apurou aumento de 7% no lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) recorrente ante o segundo trimestre do ano passado, para R$ 3,528 bilhões, com expansão na receita do segmento móvel e medidas de eficiência em custos.

A receita operacional líquida da Telefônica Brasil subiu 1,8% na mesma base, para R$ 10,697 bilhões, com elevação de 1,8% na participação de mercado, que atingiu 30,7% ao fim de junho.

Somente no segmento móvel, houve alta de 3,8% na receita, para R$ 6,534 bilhões. Já a receita líquida de ligações de telefonia fixa entre abril e junho encolheu 1,3% ano a ano, para R$ 4,163 bilhões.

VEJA TAMBÉM: Telefónica venderá até 40% da subsidiária Telxius para KKR por 1,3 bi de euros

Ao mesmo tempo, os custos operacionais da companhia recuaram 1,9% no segundo trimestre, para R$ 7,169 bilhões, enquanto as despesas gerais e administrativas diminuíram 6,6%, para R$ 364,5 milhões.

Outra linha do balanço que exibiu melhora foi o resultado financeiro, com queda de 13,7% na despesa financeira do segundo trimestre, para R$ 264,3 milhões, em decorrência do menor endividamento líquido e da queda dos juros no período.

A Telefônica Brasil reduziu a dívida líquida a R$ 2,886 bilhões ao fim de junho, de R$ 4,549 bilhões em março deste ano. Com isso, a alavancagem medida pela relação dívida líquida sobre Ebitda atingiu 0,21 vez, ante 0,33 no primeiro trimestre e 0,21 em junho do ano passado.

Os investimentos da operadora no segundo trimestre cresceram 2,7% na comparação anual, para R$ 1,818 bilhão, o equivalente a 17% da receita operacional líquida do período.

No acumulado do primeiro semestre, foram desembolsados R$ 3,146 bilhões, sendo a maior parte em ampliação da capacidade de rede e cobertura 4G.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).