Negócios

Uber é processado por falta de carros para cadeirantes em Nova York

iStock

Pessoas em cadeira de rodas podem usar apenas poucas dezenas dos mais de 58 mil veículos da frota (iStock)

O Uber foi processado nesta terça-feira (18) por grupos de direitos das pessoas com deficiência. Segundo eles, a companhia viola as leis de direitos humanos de Nova York por não disponibilizar suficientes veículos acessíveis a deficientes físicos.

LEIA MAIS: Uber sofre novo revés na Europa

A ação coletiva proposta acusa o Uber de “discriminação generalizada e contínua”, já que as pessoas em cadeira de rodas podem usar apenas poucas dezenas dos mais de 58 mil veículos na cidade norte-americana.

Tendo em vista a crescente popularidade do Uber, o fato “prejudica substancialmente” os benefícios do compromisso prévio da cidade de Nova York de tornar metade dos táxis amarelos acessíveis a cadeiras de rodas até 2020, disse a denúncia.

“Os passageiros enfrentam grandes esperas ou não conseguem fazer as corridas”, disse em entrevista Rebeca Serei, advogada da entidade Defensores dos Diretos da Deficiência. “A lei de direitos humanos reflete o compromisso do Conselho Municipal com a acessibilidade. O Uber claramente viola esta lei.”

Segundo a denúncia, a empresa oferece corridas acessíveis para cadeirantes apenas no serviço UberWAV, mas menos de 100 carros da frota fornecem o serviço na cidade.

VEJA TAMBÉM: Travis Kalanick, CEO do Uber, renuncia ao cargo

O caso segue processos em Chicago e Washington que acusam o empresa de violar outras leis que protegem os deficientes.

O Uber não respondeu de imediato os pedidos de comentários.

Comentários
Topo