Negócios

Bill Gates e Richard Branson investem em startup de “carne limpa”

iStock

O investimento é apenas o mais recente de empresas tradicionais do setor. A Tyson Food Inc., maior produtora de carne dos Estados Unidos, criou um fundo focado no financiamento de empresas para “alimentar de maneira sustentável”. (iStock)

A Cargill Inc., uma das maiores empresas globais de agricultura, juntou-se a Bill Gates e outros gigantes dos negócios para investir em uma tecnologia emergente capaz de produzir carne de células animais auto produtivas em meio à demanda crescente dos consumidores por proteínas menos dependentes de alimentos, terra e água. As informações são da “Bloomberg”.

VEJA TAMBÉM: Dieta com carne faz mal para o meio ambiente, afirmam pesquisadores

A Memphis Meats, que produz carne bovina, de frango e de pato diretamente de células animais, sem a necessidade de criar e abater gado ou aves, levantou US$ 17 milhões de investidores que incluem a Cargill, Gates e o bilionário Richard Branson, de acordo com uma declaração feita na última terça-feira (22) no website da startup de San Francisco. A rodada de investimentos foi liderada pela empresa de venture capital DFJ, que já apoiou muitas startups de varejo voltadas para o social.

“Estou animado por ter investido na Memphis Meats”, disse Branson em um email para a “Bloomberg”. “Eu acredito que em cerca de 30 anos nós não precisaremos mais matar animais e que toda a carne será limpa ou feita de plantas, com o mesmo sabor e muito mais saudável.”

Este é o último avanço de uma gigante da agricultura em resposta a consumidores, especialmente millennials, que estão rapidamente deixando sua marca no mundo da alimentação nos Estados Unidos. Isso está acontecendo por meio de demandas crescentes por produtos orgânicos, foco em comida considerada sustentável e mais atenção ao tratamento dos animais. Grandes processadores de gado e frango começaram a estudar alternativas para a carne tradicional.

“O mundo ama comer carne, e isso é algo muito tradicional em muitas de nossas culturas”, disse Uma Valeti, cofundador e CEO da Memphis Meats, na declaração. “A forma como a carne convencional é produzida hoje cria desafios para o meio ambiente, o bem estar animal e a saúde humana. Estes são problemas que todos querem resolver.”

LEIA: Conheça o Flat Iron, a carne que é a nova sensação entre os consumidores brasileiros

Até agora, a Memphis Meats levantou US$ 22 milhões, assinalando um compromisso ao “movimento da carne limpa”, disse a empresa. “A Cargill se tornou investidora na primeira série de financiamento”, contou Sonya Roberts, uma das executivas da Cargill Protein, em um email, sem, no entanto, revelar o valor do investimento. “Nossa posição de investidor da Memphis Meats dá à Cargill entrada no mercado de proteína cultivada e nos permite trabalhar juntos para inovar e comercializar mais profundamente”, acrescentou. “Nós acreditamos que os consumidores vão continuar desejando carne, e nós pretendemos trazer isso para a mesa da maneira mais sustentável e eficiente que pudermos. As carnes cultivadas e as produzidas convencionalmente terão cada uma um papel no preenchimento dessa demanda.”

O investimento é apenas o mais recente de empresas tradicionais do setor. A Tyson Food Inc., maior produtora de carne dos Estados Unidos, criou um fundo focado no financiamento de empresas para “alimentar de maneira sustentável” a crescente população mundial e, em dezembro, anunciou uma participação no produtor de proteína feita de plantas Beyond Meat, que tem Gates entre seus investidores iniciais.

Comentários
Topo