Negócios

Bunge tem lucro 34% menor no 2º trimestre

iStock

A empresa vendeu 36,2 milhões de toneladas de grãos e outras commodities em seu segmento de agronegócio (iStock)

A trader norte-americana Bunge divulgou nesta quarta-feira (2) queda de 34% no lucro do segundo trimestre, com vendas mais lentas de produtores na América do Sul prejudicando as margens de seu principal segmento de agronegócio, embora tenha projetado um segundo semestre melhor.

LEIA MAIS: Bunge supera expectativa com melhora de margens no Brasil

Os últimos resultados vieram em linha com as estimativas mais baixas de Wall Street, depois que a empresa alertou no mês passado sua diretriz para o trimestre.

Apesar da previsão mais favorável para o resto do ano, a Bunge baixou pelo segundo trimestre consecutivo a estimativa de ganhos do ano inteiro para suas unidades de agronegócio e de alimentos e ingredientes. “Estamos otimistas quanto a uma segunda metade do ano melhor, mas algumas turbulências de mercado persistirão”, afirmou o presidente-executivo da Bunge, Soren Schroder.

A Bunge apresentou um plano de corte de custos e de reestruturação que reduzirá os gastos em US$ 250 milhões até o fim de 2019

A empresa faz parte do chamado ABCD de tradings gigantes, ao lado de Archer Daniels Midland (ADM), Cargill e Louis Dreyfus Company.

A Bunge, que chegou a receber uma oferta de aquisição por parte da Glencore em maio, após um primeiro trimestre fraco, apresentou um plano de corte de custos e de reestruturação que reduzirá os gastos em US$ 250 milhões até o fim de 2019.

O segundo trimestre foi marcado pela venda lenta de agricultores na América do Sul e um mercado de exportação difícil, como um amplo estoque global de grãos e compras minguadas de importadores limitando as oportunidades comerciais.

A empresa vendeu 36,2 milhões de toneladas de grãos e outras commodities em seu segmento de agronegócio, mas o lucro bruto do negócio caiu mais da metade, para US$ 157 milhões.

O lucro líquido atribuível a acionistas caiu para US$ 72 milhões, ou US$ 0,51 por ação no segundo trimestre, ante US$ 109 milhões, ou US$ 0,78 por ação, um ano antes.

VEJA TAMBÉM: Empresa da família Maggi leva 70% do subsídio ao milho em programa do governo

Excluindo itens extraordinários, a companhia lucrou US$ 0,17 por ação, em linha com a expectativa média de analistas em pesquisa da Thomson Reuters I/B/E/S.

A receita líquida, por sua vez, cresceu 10,5%, para US$ 11,65 bilhões.

Na quarta-feira, a empresa reduziu sua estimativa de lucro do agronegócio no ano para cifras entre US$ 550 milhões e US$ 650 milhões, ante US$ 800 milhões a US$ 925 milhões no primeiro trimestre. A previsão de lucro para o negócio de alimentos e ingredientes foi reduzida para entre US$ 210 milhões e US$ 230 milhões, ante US$ 245 milhões e US$ 265 milhões.

Melhor caminho

Ao ser questionado se a venda da companhia é uma possibilidade, Schroder disse que “avaliará o melhor caminho” para a empresa tendo os acionistas em mente.

Durante teleconferência com analistas, ele afirmou que não há nenhuma pressão sobre a Bunge, que chegou a ser sondada pela rival Glencore em maio.

Comentários
Topo