Negócios

Governo estuda abertura de capital dos Correios, diz fonte

iStock

Correios diz que busca novas parcerias para expandir seus negócios (iStock)

O governo federal estuda uma eventual abertura de capital dos Correios, mas não sua privatização, disse à Reuters uma fonte governista que acompanha de perto o assunto, em um momento em que o governo do presidente Michel Temer retoma a agenda de desestatizações com a venda do controle da Eletrobras, entre outros ativos. “Simultaneamente ao processo de saneamento da empresa, o governo estuda o futuro dos Correios”, disse a fonte, citando que o IPO seria uma dessas opções.

LEIA MAIS: Governo vai privatizar Eletrobras, Casa da Moeda e Lotex

A empresa vem acumulando prejuízos nos últimos anos. Em 2015, a perda foi de R$ 2,1 bilhões, e, em 2016, a previsão é de um prejuízo de R$ 1,5 bilhão.

Segundo a fonte ouvida pela Reuters, porém, a atual gestão tem tomado medidas para que “nos próximos meses” a empresa alcance o equilíbrio em suas contas. Recentemente, os Correios fecharam agências e fizeram um programa de demissão voluntária que levou à saída de 6 mil funcionários – número considerado insuficiente.

Segundo a fonte, a empresa deverá reabrir em breve o PDV. Dessa vez, com a meta de obter o desligamento de 3 mil empregados. Atualmente, os Correios têm, no total, cerca de 108 mil funcionários.

Procurados, os Correios confirmaram, por meio sua assessoria de imprensa, que, para ainda este ano, estão estudando o lançamento de um novo programa, mas não há ainda definições sobre o assunto.

VEJA TAMBÉM: Governo vê desestatização da Eletrobras concluída até junho de 2018

Sobre a possibilidade de abertura de capital, a empresa respondeu que “da parte dos Correios, não há nenhum estudo nesse sentido” e que a empresa busca novas parcerias para expandir seus negócios. “Além das franquias já estabelecidas, pretendemos oferecer ao mercado novas lojas neste modelo, complementares às existentes, segmentando por área de atuação.”

Parte do governo, no entanto, pressiona por uma privatização da empresa, mais do que pela abertura de capital. De acordo com fontes do Palácio do Planalto, chegou-se a cogitar a inclusão dos Correios no último pacote do Programa de Parcerias para Investimentos (PPI), mas em reuniões prévias decidiu-se dar mais tempo aos estudos que o Ministério das Comunicações está preparando.

“Há uma resistência política de parte do governo”, disse uma fonte palaciana. “Mas a questão é que já foram adotadas várias medidas e o rombo continua, então a pressão pela privatização aumenta.”

“Não é um bom momento político para uma privatização”, disse a primeira fonte que acompanha as discussões. “Os Correios são uma empresa muito querida pela população. Uma IPO seria mais fácil de assimilar.”

Comentários
Topo