Negócios

JBS adia planos de IPO de negócios internacionais

iStock

IPO da JBS Foods International deve ocorrer na segunda metade de 2018 (iStock)

O grupo processador de carne JBS está adiando os planos para uma aguardada oferta pública inicial (IPO) de ações de seus negócios internacionais para o final de 2018, depois do escândalo causado pelas delações premiadas de seus executivos.

LEIA MAIS: JBS tem queda de 80% no lucro do 2º trimestre

Em teleconferência com analistas nesta terça-feira (15), o presidente-executivo da JBS, Wesley Batista, não citou nominalmente as delações dele e do irmão Joesley em maio, mas comentou que após eventos recentes “é lógico que vamos ter um atraso no plano [de IPO]”. “A discussão é ‘quando’ e não ‘se’ a JBS fará IPO da JBS Foods International”, disse Batista na teleconferência. “A companhia vai continuar perseguindo isso porque acredita que é o melhor a ser feito… Tenho o objetivo pessoal de que a gente consiga estar pronto, se o mercado permitir, para postular o IPO na segunda metade de 2018”, acrescentou.

Em meados de maio, Batista chegou a afirmar, também em teleconferência com analistas, que “um IPO no segundo semestre [de 2017] é o momento mais próximo para tentarmos sair ao mercado”.

As delações premiadas dos irmãos Batista e de outros ex-executivos da JBS e da holding controladora, a J&F Investimentos, forçaram a processadora de carne a anunciar um programa de venda de ativos para levantar R$ 6 bilhões e a renegociar dívidas com bancos.

Dentro do programa de venda de ativos, o presidente da JBS afirmou que está em fase avançada para a venda de sua unidade britânica Moy Park e que a empresa não tem intenção de novos desinvestimentos além dos anunciados no programa. Ele não citou prazo para a conclusão da venda.

VEJA TAMBÉM: JBS contrata Alfred Almanza como diretor global de segurança alimentar e garantia de qualidade

Segundo Batista, a JBS espera acelerar já no atual trimestre a redução de seus níveis de endividamento e deve antecipar do fim de 2018 para o final deste ano o cumprimento da meta de atingir uma alavancagem de 3,5 vezes.

A JBS terminou junho com dívida líquida de cerca de R$ 50 bilhões e uma dívida líquida sobre Ebitda de 4,16 vezes. O lucro do segundo trimestre caiu 80% sobre um ano antes, impactado por câmbio e aumento de despesas.

O executivo evitou comentar as manifestações do BNDES, acionista da JBS, que informou no final da segunda-feira que defenderá em assembleia marcada para 1º de setembro a abertura de processo de responsabilidade contra os irmãos Batista e outros ex-executivos do grupo. O banco de fomento afirmou ainda que vai defender na assembleia de acionistas a saída de Wesley da presidência-executiva da JBS.

Segundo Batista, a reunião de setembro será “uma ótima oportunidade para mostrar o que foi feito”, disse ele referindo-se às medidas de ajuste da JBS após o estouro do escândalo criado pelas delações. O executivo voltou a afirmar aos analistas que unidades e executivos do grupo nos Estados Unidos não cometeram “atos incorretos” e que espera finalizar “de forma positiva” as discussões com o Departamento de Justiça do país iniciadas depois das confissões dos executivos do grupo no Brasil.

Comentários
Topo