Negócios

Johnson & Johnson é condenada a pagar U$S 417 mi por risco de câncer em talco

iStock

Valor será pago a uma mulher que afirmou ter desenvolvido câncer de ovário após usar talco da empresa (iStock)

A Johnson & Johnson deve pagar U$S 417 milhões a uma mulher que afirmou ter desenvolvido câncer de ovário após usar talco da empresa, segundo decisão judicial desta segunda-feira (21).

LEIA MAIS: Johnson & Johnson vai comprar empresa de biotecnologia Actelion por US$ 30 bi

O veredito do tribunal superior de Los Angeles, favorável a Eva Echeverria, foi o maior até o momento em ações judiciais alegando que a Johnson & Johnson não informou adequadamente os consumidores sobre os riscos de câncer de produtos com base de talco.

A sentença inclui U$S 70 milhões em compensações e U$S 347 milhões, disse uma porta-voz dos advogados de Echeverria. A decisão vem após julgamentos que resultaram em mais de U$S 300 milhões no Missouri contra a J&J.

“Vamos recorrer do veredito de hoje, porque somos guiados pela ciência, que apoia a segurança do Johnson’s Baby Powder”.

Em julgamento, os advogados de Echeverria acusaram a empresa de encorajar mulheres a usarem seus produtos de talco apesar de anos de estudos que ligam diagnósticos de câncer de ovário e mortes ao uso de talco genital.

Os advogados da J&J argumentaram que vários estudos científicos, bem como agências federais, incluindo a Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos, não mostraram que os produtos a talco são cancerígenos.

Comentários
Topo