Negócios

Venda de participações minoritárias da Infraero pode render até R$ 8 bi

Reprodução

Somente as participações de 49% em Guarulhos e Brasília podem render cerca de R$ 6 bilhões (Reprodução)

A venda das participações minoritárias da Infraero nos aeroportos concedidos de Brasília (DF), Guarulhos (SP), Confins (MG) e Galeão (RJ) pode render até 8 bilhões de reais, disse hoje (17) o secretário de Aviação Civil do Ministério dos Transportes, Dario Lopes.

LEIA TAMBÉM: Governo decide leiloar aeroporto de Congonhas em 2018, diz Planejamento

Somente as participações de 49% em Guarulhos e Brasília podem render cerca de R$ 6 bilhões, afirmou Lopes. A fatia da estatal no aeroporto de Viracopos (SP) não será colocada à venda, porque a concessão do aeroporto será relicitada.

Os comentários foram feitos após reunião para desenhar as propostas que serão apresentadas na reunião do conselho do Programa de Parceria de Investimentos (PPI), na próxima terça-feira, que definirá quais aeroportos serão concedidos na próxima leva de leilões e a venda das fatias minoritárias da Infraero.

O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, presente à reunião do conselho, disse que já foi batido o martelo para a concessão do aeroporto de Congonhas.

VEJA MAIS: 10 aeroportos mais movimentados do mundo

Congonhas é um dos principais ativos da Infraero, e o Ministério dos Transportes vinha se opondo à ideia de licitá-lo, alegando que, sem o movimentado aeroporto paulistano, a empresa teria dificuldades de caixa.

Na opinião do ministro do Planejamento, contudo, a venda das participações minoritárias dará fôlego necessário para a Infraero fazer face à concessão do aeroporto à iniciativa privada.

“A Infraero provavelmente vai ter a venda das participações. Ela tem como gerar caixa, não precisa de capitalização do Tesouro”, disse Oliveira.

Segundo Lopes, a pedido do Ministério do Planejamento, o PPI vai analisar a concessão sozinha do aeroporto de Congonhas, enquanto aeroportos do Nordeste e de Mato Grosso serão oferecidos em bloco, por sugestão do Ministério dos Transportes.

Comentários
Topo