Negócios

7 dicas de Gustavo Borges para empregar as habilidades adquiridas no esporte nos negócios

Divulgação

No mercado há 12 anos, o Método Gustavo Borges (MGB) tem hoje aproximadamente 150 mil alunos de 350 academias. (Divulgação)

Há cerca de uma década, o medalhista olímpico Gustavo Borges identificou um problema: donos de academia e professores de natação precisavam lidar com um sistema analógico, que gerava centenas de papéis e documentos, para monitorar e avaliar seus alunos. O atleta teve, então, a ideia de digitalizar todo esse processo em uma única plataforma, lançada no último dia 1º de setembro.

VEJA TAMBÉM: Como o esporte é usado a serviço da humanidade

A partir da inserção de dados da estrutura disponível para treino e das características dos atletas, as academias poderão monitorar a performance de seus alunos, turmas e professores e, assim, identificar os melhores métodos e estratégias. Ou seja, a plataforma vai reunir ferramentas práticas para as empresas com o objetivo de encontrar soluções e melhorar a qualidade de ensino e a gestão dos negócios. No mercado há 12 anos, o Método Gustavo Borges (MGB) tem hoje aproximadamente 150 mil alunos de 350 academias.

O nadador, que também é presidente de Associação Brasileira de Academias, conta que empreender, para ele, foi um processo muito natural. “A vida inteira eu acompanhei meu pai, que era um empreendedor de mão cheia. Eu sempre me encantei muito por essa área, principalmente no que diz respeito às vendas.” Talvez tenha sido por isso que, quando chegou o momento de entrar na faculdade, Gustavo decidiu estudar Economia na Universidade de Michigan, nos EUA. “Não sabia muito bem que caminho seguir. A Economia foi a minha formação, mas a minha atividade no dia a dia é muito mais focada na administração do negócio como um todo”, conta.

Segundo Gustavo Borges, o esporte teve papel fundamental em sua preparação para assumir a nova função. “No esporte você tem metas, objetivos, precisa planejar, se organizar, treinar… Exatamente como nos negócios”, explica.

Veja, na galeria de fotos, 7 dicas de Gustavo Borges para usar as habilidades do esporte nos negócios:

  • Estabelecimento de metas
    De acordo com o nadador, o aprendizado que vem do estabelecimento de metas para o esporte – “seja perder peso, ter uma vida mais saudável ou aprender uma técnica” – se encarado com uma visão empreendedora, terá particularidades fundamentais para o desenvolvimento dos negócios.

  • Planejamento e organização
    A partir do momento em que se decide praticar um esporte, é necessário planejar o calendário e elaborar um cronograma – ou seja, qualquer atleta, independentemente de intensidade e do rendimento, precisa ser organizado. A rotina e a disciplina são também pontos fundamentais. “Esse aprendizado vale para o empreendedorismo, só é preciso canalizar o olhar para aquilo”, ensina.

  • Treino
    O treinamento para um atleta equivale à execução para um empreendedor, em que conhecimentos teóricos e práticas prévias são experimentados e postos à prova.

  • Coragem
    Nas duas atividades é preciso arriscar e ter coragem de estabelecer novas metas, buscar novos resultados e, quando necessário, utilizar técnicas ou habilidades diferenciadas para persegui-los.

  • Foco em resultados
    Tanto no esporte quanto na vida profissional, há o momento da entrega, em que são recebidos os resultados. “As duas entregas, apesar de terem consistências diferentes, são muito parecidas. Nos negócios é uma entrega mais viva, enquanto na natação, por exemplo, há uma data marcada para o resultado. No primeiro caso, o resultado é celebrado com a satisfação do cliente, a lucratividade… São outras medidas, mas é muito similar”, exemplifica.

  • Excelência
    “Excelência na natação é um centésimo de segundo – nos negócios, com R$ 1 você bate ou não a meta, tem lucro ou tem prejuízo”, ressalta o atleta. Assim, no esporte e na vida corporativa é preciso buscar a excelência, lutar pelo detalhe, por menor que seja, porque, no fim, ele pode fazer toda a diferença.

  • Mentalidade empreendedora
    Ao se preparar para o esporte, estabelecer metas, definir o planejamento e ter disciplina, o esportista já adota uma mentalidade empreendedora. “O atleta é um empreendedor do próprio corpo. Quando você empreende o corpo para o resultado, é tudo aquilo que o empreendedor ‘da vida real’ faz no seu dia a dia”, explica.

Estabelecimento de metas
De acordo com o nadador, o aprendizado que vem do estabelecimento de metas para o esporte – “seja perder peso, ter uma vida mais saudável ou aprender uma técnica” – se encarado com uma visão empreendedora, terá particularidades fundamentais para o desenvolvimento dos negócios.

Comentários
Topo