Negócios

9 conselhos para transformar preconceito em dinheiro e felicidade

John Schneider é um homem homossexual de 44 anos que teve de aprender muito sobre dinheiro, vida e trabalho nos Estados Unidos como integrante da comunidade LGBT. A homossexualidade só parou de ser categorizada como um distúrbio mental pela Associação Americana de Psiquiatria em 1987, foi legalizada a nível federal em 2006 e, apenas em 2015, o casamento entre pessoas do mesmo sexo foi reconhecido.

VEJA TAMBÉM: 10 coisas pelas quais você não deve se desculpar

Schneider conta ter vivido os erros financeiros de toda uma vida de uma vez só, quando tinha 20 e poucos anos. Até então, ele nunca havia enfrentado dificuldades financeiras – o que pode, justamente, ter sido o problema. Essa e outras experiências lhe deram uma perspectiva única sobre dinheiro e felicidade como um homem gay no século 21.

Veja, na galeria de fotos, 9 conselhos sobre vida, dinheiro e trabalho de John Schneider:

  • Não se preocupe com o que os outros pensam de você
    Preocupe-se com os outros, mas não com o que eles pensam sobre você. Eleanor Roosevelt disse: “Ninguém pode fazer você se sentir inferior sem o seu consentimento”. Ao contrário do que o Facebook e o Instagram mostram, a maioria das pessoas têm crenças limitantes sobre elas mesmas e seu dinheiro.

    Como grande parte das pessoas LGBT cresceu se sentindo diferente e inadequada, elas tendem a se sentir inferiores mais do que a população geral. Não deixe os seus conhecidos da infância determinarem os rumos da sua vida.

    Essa mania de se sentir subestimada não ajuda em nada. Criar uma distância desses sentimentos faz as pessoas serem mais bem-sucedidos pessoalmente e financeiramente.

  • Não tente seguir um padrão de vida de televisão
    A maioria das pessoas precisa trabalhar duro por dinheiro. Tentar seguir um padrão de vida Kardashian é suicídio financeiro.

    Apesar do que vemos na televisão, a maioria das pessoas LGBT não são novos ricos perpetuamente planejando suas próximas férias. Até entender isso, Schneider viveu um conflito entre como eram as suas finanças e a sua inveja em relação ao estilo de vida que ele pensava que seus colegas homossexuais conseguiam ter.

    A maioria das pessoas LGBT têm dificuldades pessoais e financeiras. Quando as pessoas são honestas em relação a isso, elas são capazes de ajudar a si mesmas e de ajudar a comunidade onde vivem.

  • Dívidas ancoram seu futuro a seu passado, e a maioria das coisas que você compra não tem valor
    Infelizmente, Schneider aprendeu isso de um jeito difícil. Até pagar uma dívida de US$ 51 mil do seu cartão de crédito e aprender a ser financeiramente responsável, ele não percebia que a maioria das coisas que comprava não valiam o preço, especialmente o custo com os juros do cartão.

    A não ser que você seja responsável o suficiente para usar cartões de crédito adequadamente, a coisa mais prudente a fazer é evitá-los. Schneider aprendeu enquanto ajudava a sua comunidade LGBT que muita gente gosta de beber champanhe, mas tem orçamento apenas para cerveja.

    Se esse for o caso, opte por usar dinheiro vivo. Pode ser doloroso no início, mas ninguém morre por causa disso.

  • Aos 18 anos, as pessoas são muito jovens para tomar decisões para a vida inteira
    A porcentagem dos amigos de Schneider que permaneceram na carreira que escolheram quando se formaram na universidade é pequena. A maioria não tinha ideia do que queria fazer, nem mesmo conhecia todas as alternativas.

    A universidade é muito cara atualmente em muitos países do mundo, tanto que muita gente vem questionando seu valor. Antes de assumir um empréstimo de seis dígitos para obter um diploma, viva um pouco, viaje um pouco e trabalhe um pouco.

    Schneider defende que mais alunos considerem escolas voltadas para o comércio. Há menos pessoas com habilidades nesta área hoje do que no passado, o que pode significar mais dinheiro. Além disso, o sucesso financeiro não depende de quanto dinheiro uma pessoa ganha, mas de como ela administra o dinheiro que ganha.

  • Alguns chefes são terríveis
    Na maior parte de sua carreira, Schneider diz que trabalhou para ótimas pessoas. De acordo com a sua experiência, o estereótipo do chefe terrível não condiz com a realidade. Mas ele também aprendeu que há, sim, chefes horríveis. E recomenda: quanto antes você perceber que você tem um chefe assim e que o problema é com ele e não você, menos doloroso será.

    A não ser que haja um valor considerável em permanecer com um chefe desses, normalmente é mais favorável cair fora. Há milhares de outros chefes por aí. E este conselho se aplica ao trabalho, à vida e ao amor.

  • A vida é curta, não fique onde você não é feliz ou querido
    Se você não gosta de onde você está trabalhando ou do que está fazendo, encontre algo que pode fazê-lo feliz. Cedo ou tarde, você vai perceber que dinheiro, não importa quanto seja, simplesmente não vale a pena e a segurança que você sente provavelmente não está lá.

    Assim, quanto antes você tiver dinheiro guardado para se manter desempregado por um período, mais fácil será fazer escolhas que o fazem feliz.

  • Há mais coisas do que você percebe
    Cavalos de corrida vestem um acessório que os força a olhar para frente – e não para trás ou para os lados. Muitas empresas metaforicamente colocam esse tipo de acessório em seus funcionários.

    É do interesse de algumas empresas fazerem seus colaboradores pensarem que elas são as melhores empregadoras do mercado, que pagam salários mais altos que suas concorrentes e que têm valores e preocupações com seus clientes acima da média.

    Ainda que, em algumas ocasiões, isso possa ser verdade, não é sempre verdade. Mantenha seu empregador honesto e conheça a concorrência.

  • Pessoas LGBT são líderes de negócios
    Outro estereótipo popular sobre as pessoas LGBT é que elas estão predominantemente nas artes, no entretenimento e na indústria de serviços. Schneider diz que muitas delas estão mesmo nestes setores, mas que suas habilidades são vastas e suas experiências enormes.

    O matemático britânico Alan Turing praticamente venceu a Segunda Guerra Mundial. Sally Ride foi astronauta. Tim Cook atualmente lidera uma das empresas mais bem-sucedidas da história, a Apple. Martine Rothblatt criou uma nova maneira de ouvir rádio e tornou-se uma pioneira da biotecnologia.

    Schneider diz que as pessoas LGBT são e podem ser muita coisa. “Nós fazemos um desserviço a nós mesmos e à nossa comunidade quando nos vendemos mal”, diz.

  • É importante saber quem são as pessoas com as quais passamos nosso tempo
    Uma citação famosa diz: “Se você for a pessoa mais esperta do lugar, então você está no lugar errado”. Segundo Schneider, o ditado se aplica tanto para a vida pessoal quanto profissional.

    Depois de sair de casa e encontrar sua comunidade LGBT, Schneider diz que o único teste que muitos deles usam para decidir com quem passar seu tempo é saber se as outras pessoas também são LGBT. “No entanto, se estivermos rodeados apenas por aqueles que se importam mais com as baladas e as compras – atrações comuns para muitos homens gays – então será mais difícil para nós evitar a insegurança financeira com que muitos de nós sofre”, explica.

    O conselho de Schneider é descobrir pessoas LGBT e aliados heterossexuais que estão procurando e trabalhando em direção a vidas maiores e melhores. Como Lisa Nichol diz, “encontre e aprenda com pessoas que estão de dois a dez passos à sua frente”. Essa prática vai desafiar você a fazer o seu melhor – e essa é a receita para o sucesso.

Não se preocupe com o que os outros pensam de você
Preocupe-se com os outros, mas não com o que eles pensam sobre você. Eleanor Roosevelt disse: “Ninguém pode fazer você se sentir inferior sem o seu consentimento”. Ao contrário do que o Facebook e o Instagram mostram, a maioria das pessoas têm crenças limitantes sobre elas mesmas e seu dinheiro.

Como grande parte das pessoas LGBT cresceu se sentindo diferente e inadequada, elas tendem a se sentir inferiores mais do que a população geral. Não deixe os seus conhecidos da infância determinarem os rumos da sua vida.

Essa mania de se sentir subestimada não ajuda em nada. Criar uma distância desses sentimentos faz as pessoas serem mais bem-sucedidos pessoalmente e financeiramente.

Comentários
Topo