Negócios

O que as grandes empresas de tecnologia têm em comum

Nunca foi tão fácil criar um aplicativo capaz de mudar a vida de bilhões de pessoas. A humanidade alcançou um ponto em que a tecnologia permite gerar o máximo de retorno com o mínimo de esforço.

VEJA TAMBÉM: 25 maiores empresas de tecnologia em 2017

Essa facilidade, no entanto, normalmente não é percebida. Nós fomos condicionados por toda a vida a respeitar os especialistas – ouvir médicos, advogados e cientistas e aceitar suas recomendações como se fossem fatos. Nós somos expostos a pesquisadores responsáveis por descobrir as “verdades” escondidas do sucesso.

No livro “Fora de Série”, Malcolm Gladwell descreve como Bill Gates teve acesso antecipado e privilegiado aos ciclos de computadores de grande porte para acumular as “mágicas” 10 mil horas requeridas para alcançar a especialidade – muito antes de os mesmos ciclos estarem disponíveis para outros entusiastas e empreendedores.

Há ainda quem tire conclusões sobre os requisitos para o sucesso ao analisar as vidas dos fundadores de sete das maiores empresas de tecnologia do mundo – Apple, Alphabet (Google), Amazon, Microsoft, Facebook, Oracle e Dell -, que, de fato, são permeadas por estranhas semelhanças.

Gladwell destaca, por exemplo, um ano de nascimento comum a muitos titãs da tecnologia: 1955, quando Bill Gates (Microsoft), Steve Jobs (Apple), Eric Schmidt (Google), Vinod Khosla e Andreas Bechtolsheim (SUN) vieram ao mundo – cedo o suficiente para que pudessem atingir o pico de acuidade mental e serem os primeiros a apostar seus recursos na revolução dos computadores pessoais.

LEIA: 10 maiores bilionários da tecnologia de 2017

Todos eles são todos homens brancos, muitos vindos de famílias privilegiadas e a maioria deles foi a universidades de ótima reputação, incluindo Harvard, Stanford e Princeton. Mas, o que é ainda mais curioso, é que todos eles foram adotados, largaram a universidade ou ambas as coisas.

Jobs foi colocado para adoção por seus pais biológicos e largou a universidade. O mesmo ocorreu com o cofundador da Oracle, Larry Ellison. Jeff Bezos foi abandonado por seu pai, que não soube que o filho havia se tornado um bilionário até ser procurado pelo biógrafo do CEO da Amazon. Os fundadores do Google Larry Page e Sergey Brin largaram o programa de Ph.D. em ciência da computação em Stanford. Gates, Mark Zuckerberg e Michael Dell abandonaram a universidade para correr atrás de seus sonhos.

Claramente, ainda que essas teorias existam, não são elementos como oportunidades incomuns, potenciais questões com o abandono, extenuantes horas de aprendizagem, um ano de nascimento específico ou um senso prematuro de objetivo maior os responsáveis pelo sucesso tecnológico destes ícones.

Quando olhamos hoje para a escala e a complexidade dessas empresas é difícil imaginarmos onde tudo começou, o que cria um senso de admiração e a ilusão cognitiva de algo inatingível. A maior parte do mundo pensa que as inovações fantásticas que vêm do Vale do Silício são criadas com base em toques de mágica. Mas, se olharmos para elas do ponto de vista certo, elas começam a parecer mais normais.

Veja, na galeria de fotos, as origens comuns de 5 das maiores empresas de tecnologia da atualidade:

  • Uber
    Dois homens estavam parados em uma rua em Paris, depois de comer e beber. Nevava. Eles tiveram dificuldade em conseguir um táxi. Nasce a Uber.

  • Airbnb
    Dois amigos de Nova York haviam acabado de se mudar para San Francisco. O aluguel era incrivelmente caro. Eles estavam desempregados e notaram que os hotéis locais estavam lotados para uma conferência. Compraram um colchão de ar e o alugaram de maneira online. Nasce a Airbnb.

  • Snapchat
    Dois irmãos de fraternidade de Stanford estavam conversando. Um diz que gostaria que as fotos que estava mandando para uma garota pudessem desaparecer automaticamente. O segundo se animou com a ideia. Nasce o Snapchat.

  • Facebook
    Um estudante universitário do segundo ano recebe o pedido para codificar um site de rede social exclusivo para os estudantes da faculdade. Para os formandos, a universidade publicava um pequeno livro físico chamado de Facebook. Ele decidiu que criaria o seu próprio website. Nasce o Facebook.

    Em 2004, Zuckerberg explicou sua criação ao jornal de Harvard de uma maneira despreocupada: “Eu faço coisas do tipo o tempo todo. O Facebook levou, literalmente, uma semana para ser feito”.

  • Google
    No mundo acadêmico, artigos publicados são frequentemente julgados por suas citações – a frequência e a importância de cada uma delas. Dois estudantes de doutorado aplicaram o mesmo conceito para contar e classificar o valor de links em websites – uma maneira automática de ranquear resultados de busca. Nasce o Google.

Uber
Dois homens estavam parados em uma rua em Paris, depois de comer e beber. Nevava. Eles tiveram dificuldade em conseguir um táxi. Nasce a Uber.

Comentários
Topo