Negócios

Uber perde licença em Londres após decisão do governo

GettyImages

Empresa alega que 3,5 milhões de londrinos utilizam o serviço regularmente. (GettyImages)

A Uber perdeu sua licença de operação em Londres após uma dura decisão do Transport for London (TfL), órgão do governo responsável pelo sistema de transporte na Grande Londres, Inglaterra. A informação é do jornal “Huffpost”. O aplicativo de caronas não poderá mais atuar na região, ainda que empresa alegue que 3,5 milhões de londrinos utilizem o serviço regularmente.

VEJA TAMBÉM: Novo CEO da Uber promete mudanças e prevê IPO em até 3 anos

A decisão foi anunciada hoje (22): “A TfL concluiu que a Uber London Limited não é apropriada para deter uma licença de operador de serviços privado”. Cerca de 40 mil motoristas cadastrados na empresa serão potencialmente forçados a sair das ruas da Grande Londres. A Uber é alvo de oposição feroz do sindicato trabalhista e da Licensed Taxi Driver’s Association.

O aplicativo de caronas é acusado de exploração de seus motoristas. Também sofre com alegações de assédio sexual a passageiros. A decisão é mais um problema sério para a Uber, que ainda se recupera de uma série de erros de relações públicas, sexismo e a saída de seu polêmico ex-CEO, Travis Kalanick.

A empresa irá recorrer e poderá continuar a oferecer seus serviços até que as apelações sejam julgadas. Caso a decisão seja mantida, a licença da Uber irá expirar no próximo dia 30.

Licenças de operação de transporte privado são concedidas por um período de cinco anos pela TfL. A Uber recebeu uma extensão de permissão de quatro meses, em maio deste ano, enquanto a TfL avaliava a renovação. A decisão, no entanto, não afeta o UberEats, serviço de delivery de comida da empresa.

LEIA: Uber tem prejuízo de US$ 645 mi no 2º trimestre

Segundo o “Huffpost”, a Uber declarou: “Ao querer banir nosso app da capital, a Transport for London e o prefeito protegeram um pequeno número de pessoas que querem restringir a escolha do consumidor. Se essa decisão permanecer, irá colocar mais de 40 mil motoristas licenciados fora das ruas e privar os londrinos de uma forma de transporte conveniente e acessível”.

A empresa também mandou um email para seus clientes em Londres para pedir a eles que pressione os políticos sobre a decisão.

Ainda segundo a reportagem, o prefeito de Londres, Sadiq Khan, declarou: “Eu quero que Londres esteja na vanguarda de inovação e novas tecnologias e que seja um lar natural para novas empresas que ajudam os londrinos ao oferecer serviços melhores e mais acessíveis. No entanto, todas as empresas em Londres precisam seguir as regras e aderir aos altos padrões que esperamos, particularmente, no que diz respeito à segurança dos clientes. Oferecer um serviço inovador não deve ser em detrimento da segurança dos clientes”.

Comentários
Topo