Uber diz que garantir direitos trabalhistas de motoristas no Reino Unido custaria dezenas de milhões de dólares

iStock
Atualmente, empresa classifica seus cerca de 50 mil condutores no país como colaboradores autônomos (iStock)

A Uber declarou hoje (10) que registrar seus condutores britânicos como funcionários, o que garantiria a eles direitos como salário mínimo e férias remuneradas, adicionaria dezenas de milhões de dólares aos custos do aplicativo.

VEJA MAIS: Chefe da Uber no Reino Unido deixará cargo

Atualmente, a Uber classifica seus cerca de 50 mil motoristas na Inglaterra como colaboradores autônomos, proporcionando-lhes apenas direitos básicos.

“Não tenho os números exatos… mas tenho certeza de que seriam dezenas de milhões de dólares”, disse o Chefe de Política da empresa no Reino Unido, Andrew Byrne, ao comitê de negócios do parlamento.

Empresas que operam na chamada “economia freelancer”, na qual as pessoas tendem a trabalhar para empresas diferentes sem um contrato fixo, foram criticadas por sindicatos e alguns legisladores pelo que foi chamado de práticas exploratórias.

A Uber afirma que os condutores gostam da flexibilidade que lhes é oferecida, mas, no ano passado, dois motoristas venceram um processo contra a empresa e receberam a garantia de direitos trabalhistas, em uma decisão da qual a companhia recorreu no mês passado.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).