Negócios

Acordo entre Alibaba e Auchan ameaça negócio do Carrefour na China

iStock

Alexandre Bompard revelará seu plano de reestruturação para o Carrefour no dia 23 de janeiro (iStock)

Uma parceria entre o varejista francês Auchan e o gigante da internet Alibaba pode deixar o Carrefour ainda mais para trás na China e levar seu novo presidente-executivo a vender os negócios no país asiático.

LEIA MAIS: Alibaba lança centros de pesquisas no exterior avaliados em US$ 15 bi

Alexandre Bompard assumiu o comando do Carrefour, segundo maior varejista do mundo depois do Wal-Mart, em julho e, no dia 23 de janeiro, revelará seu plano de reestruturação para a empresa francesa, que alertou em agosto para uma queda no lucro operacional em 2017.

Bompard tem que decidir se continua ou deixa a China, onde o Carrefour passou anos tentando reparar um negócio cujas vendas caíram 5,4% no terceiro trimestre deste ano, em meio à feroz competição de atores locais e um dinâmico mercado online.

Perguntado sobre sua decisão envolvendo o mercado chinês, o executivo disse à Reuters durante uma conferência de investimento em Paris nesta terça-feira (21): “Vou falar sobre isso em breve”, confirmando que isso ocorreria na apresentação de janeiro.

“Até agora, os únicos varejistas ocidentais que se estabeleceram com sucesso no país fizeram isso por meio de parcerias com varejistas locais, como o Auchan com o Sun Art Retail”, disseram em nota analistas da Bryan Garnier. “Uma combinação de off-line e online também é uma opção, como visto com os acordos recentes entre o Wal-Mart e JD.com … e Auchan e Alibaba … Na falta de conclusão rápida de tal parceria, uma decisão pode ser tomada para vender ativos do Carrefour na China “, acrescentaram.

VEJA TAMBÉM: Carrefour nomeia executivo da Fnac Darty como vice-presidente financeiro

Na segunda-feira (20), o Alibaba anunciou um investimento de 22,4 bilhões de dólares de Hong Kong (US$ 2,9 bilhões) em uma fatia do Sun Art, principal operador de hipermercados da China, no qual o Auchan também possui a maior participação.

O Carrefour tem tentado se reposicionar na China, que responde por 5% das vendas do grupo, com foco em grandes hipermercados. A companhia se expandiu para o comércio eletrônico e lojas de conveniência e abriu centros de logística para reduzir os custos.

O ex-presidente-executivo do Carrefour Georges Plassat disse, repetidamente, que o Carrefour ficaria na China e não descartou um acordo com um parceiro local, embora nada tenha se concretizado.

Comentários
Topo