Negócios

Black Friday atrai compradores nos EUA, mas verdadeiro frenesi acontece online

iStock

Muitas pessoas visitando as lojas físicas para olhar as mercadorias e desfrutar da atmosfera festiva (iStock)

O fluxo de consumidores nas lojas dos Estados Unidos nesta Black Friday foi relativamente moderado, com muitas pessoas visitando as lojas físicas para olhar as mercadorias e desfrutar da atmosfera festiva, enquanto buscam por pechinchas online.

LEIA MAIS: 12 produtos mais comprados por impulso na Black Friday

O dia começou com poucos sinais do frenesi que tem caracterizado a data que marca o início da temporada de compras no país, e algumas lojas adotaram truques além dos grandes descontos para atrair compradores. O período entre o feriado do Dia de Ação de Graças e o Natal pode responder por até 40% da receita total de uma varejista no ano.

Cerca de 250 pessoas esperavam pacientemente na fila da loja da Target Corp em Manhattan antes da abertura, às 6h (9h no horário de Brasília). A executiva de serviços ao consumidor de um banco, Tricia Welsh, 36 anos, esperou na fila por cerca de uma hora antes de entrar na loja. “Definitivamente há mais descontos agora disponíveis durante o ano do que, digamos, quatro ou cinco anos atrás… Nós só compramos eletrônicos ou eletrodomésticos na Black Friday.”

Miguel Flores, 43 anos, um guarda de segurança noturno, visitou a loja depois que seu turno terminou. “Na maioria das vezes faço compras online, mas decidi entrar porque há muito tempo não frequento uma loja física”, disse. “Eu comprei alguns jogos de videogames para o meu sobrinho alguns dias atrás…Na verdade, eu só estava olhando alguns deles hoje e as ofertas parecem semelhantes.”

Os investidores pareciam otimistas com o dia, fazendo com que as ações de algumas grandes varejistas subissem. A JC Penney valorizava mais de 2%, a Macy’s tinha alta de 3,4% e o Walmart oscilava positivamente.

VEJA TAMBÉM: Luxo acessível: 9 “pechinchas” para aproveitar a Black Friday 2017

“A participação nesta manhã tem sido relativamente lenta, mas ainda é o melhor que vimos em três anos. Esperamos que ela aumente à medida que o dia avança”, disse Burt Flickinger, diretor-gerente do Strategic Resources Group. Ele citou a melhora da confiança dos consumidores, um mercado de trabalho forte e preços imobiliários saudáveis.

NÃO É MAIS O QUE ERA

Atrair os consumidores com ofertas nesta Black Friday é especialmente importante para as varejistas físicas, dada a contínua transição para as compras online, liderada pela Amazon.com, que forçou redes como Toys R Us, varejistas de moda como True Religion, The Limited, Rue 21 e a varejista de preços baixos Payless Shoe Source a entrarem em recuperação judicial este ano.

Walmart, Target, Macy’s, JC Penney e outras grandes varejistas abriram suas lojas na noite de quinta-feira (23) e a maioria tem oferecido descontos online a partir de outubro, em vez de limitá-los a um dia. Alguns deram início às ofertas esta semana para estimular o apetite dos clientes.

O shopping Garden State Plaza em Paramus, Nova Jersey, estava cheio, mas não caótico. Os clientes aproveitavam os descontos sem nada específico em mente. Os que apareceram experimentavam roupas em vez de comprá-las online. “Parece um pouco mais lento este ano”, disse a funcionária da Build-A-Bear Marissa Trujillo. “A Black Friday não é o que costumava ser porque as lojas estão estendendo as vendas no fim de semana e você pode comprar online”, disse o gerente de projetos Unmesh Patel, 30 anos. “Eu também vim pela adrenalina, mesmo que ela diminua a cada ano.”

E MAIS: 3 coisas que você não deve comprar na Black Friday

Os consumidores norte-americanos gastaram mais de US$ 1,52 bilhão online na noite do Dia de Ação de Graças, na quinta-feira, crescimento anual de 16,8%, até as 17h (20h, no horário de Brasília), de acordo com a Adobe Analytics, que acompanha 80% das transações online nas 100 maiores varejistas norte-americanas.

Comentários
Topo