Negócios

Empresas de transporte por aplicativos comemoram votação do Senado

iStock

As empresas manifestaram expectativa quanto ao andamento da proposta na Câmara dos Deputados (iStock)

As empresas de transporte individual urbano por meio de aplicativos, como Uber e Cabify, comemoraram nesta quarta-feira (1) a aprovação pelo plenário do Senado Federal do projeto de lei que regulamenta o setor, com emendas que o tornaram mais amigável aos aplicativos.

LEIA MAIS: Presidente-executivo da Uber diz que futuro da empresa no Brasil é incerto

Na noite de terça-feira (31), projeto de lei 28 foi aprovado pelos senadores com emendas que retiram pontos polêmicos e criticados por empresas do setor, como a obrigatoriedade que o veículo esteja em nome do condutor, a placa vermelha e a proibição da regulamentação do modal pelos municípios.

“Em seu texto original, o projeto inviabilizava a operação de aplicativos de transporte individual em todo o país”, disse a Cabify em comentários sobra a votação.

O texto com modificações volta agora para a apreciação da Câmara dos Deputados, antes de ser enviado para sanção presidencial.

“O Senado Federal ouviu as vozes dos mais de 500 mil motoristas parceiros e dos 17 milhões de usuários da Uber, retirando do PLC 28/2017 muitas das burocracias desnecessárias propostas, como a exigência de placas vermelhas”, disse o Uber em nota.

As emendas foram resultado de um acordo negociado por lideranças do Senado, que foi acompanhado por protestos de motoristas e observado de perto pelas empresas, incluindo o presidente-executivo do Uber, Dara Khosrowshahi, que veio ao Brasil devido à votação.

VEJA TAMBÉM: 99 projeta expansão do serviço que usa carros particulares pelo país

“Entendemos que o texto final aprovado pelos senadores é equilibrado. As emendas adicionadas ao projeto garantem mais proteção aos usuários, uma vez que exigem seguro de acidentes pessoais e checagem de antecedentes dos condutores”, disse a brasileira 99, em nota.

Apesar da vitória, as empresas manifestaram expectativa quanto ao andamento da proposta na Câmara dos Deputados. “A startup está confiante de que o bom senso irá prevalecer e a Câmara dos Deputados manterá as alterações aprovadas pelo Senado”, afirmou a 99.

Comentários
Topo